Leo Correa/AP Photo
Leo Correa/AP Photo

Mapa eleitoral do primeiro turno mostra PT ‘cercado’ no Nordeste

Reduto do partido foi o que garantiu realização de segundo turno;Bolsonaro avançou por Estados onde Dilma havia vencido em 2014

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 23h11

No mapa eleitoral do primeiro turno da eleição presidencial de 2018, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, encurralou o adversário Fernando Haddad (PT) no Nordeste e em um pedaço da região Norte – mais especificamente o Pará.

No total, Bolsonaro venceu em 16 Estados e no Distrito Federal. Ganhou na totalidade das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Apesar de não ter repetido o desempenho de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff no Nordeste, Haddad conseguiu evitar que a onda bolsonarista invadisse a região, o que teria levado a uma definição da disputa já no primeiro turno.

O melhor desempenho de Bolsonaro nos Estados ocorreu em Santa Catarina, onde teve quase dois terços dos votos, deixando Haddad em um distante segundo lugar, com 15%. Nos vizinhos Rio Grande do Sul e Paraná, Bolsonaro teve também o apoio da maioria absoluta do eleitorado. 

No Sudeste, o candidato do PSL só não alcançou maioria absoluta em Minas Gerais – e foi por pouco. Entre os mineiros, o placar pró-Bolsonaro foi de quase 49% a 27%. Em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, o militar da reserva teve 53%. No Rio de Janeiro, seu domicílio eleitoral, Bolsonaro alcançou quase 60%.

Distribuição

Haddad venceu em nove Estados, sendo oito no Nordeste e apenas um – o Pará – no Norte. Em relação ao mapa do primeiro turno de 2014, o candidato do PT não repetiu o desempenho de Dilma Rousseff – candidata do partido na época – nos principais Estados do Norte.

Dilma, por exemplo, teve 55% dos votos no Amazonas no primeiro turno de 2014. Haddad, por sua vez, ficou com 39%, atrás de Bolsonaro, com 45%. 

No Nordeste, o melhor desempenho de Haddad ocorreu no Piauí, no Maranhão e na Bahia, onde teve aproximadamente seis em cada dez votos. 

Exceção

Nos Estados nordestinos, o petista só não foi o vencedor no Ceará, reduto eleitoral de Ciro Gomes (PDT). 

O pedetista teve 41% dos votos dos cearenses. Haddad ficou com 32%, e Bolsonaro, com 22%. Foi o único Estado em que o candidato do PSL ficou na terceira posição.

Os Estados em que o PT teve melhor desempenho são os que possuem maior concentração de eleitorado beneficiado por políticas públicas e programas sociais da época em que o partido comandava o governo federal.

Perfil. A última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo antes da eleição, concluída na véspera da disputa, mostrou que o embate entre Bolsonaro e Haddad reproduziu parcialmente a clivagem social das disputas entre PT e PSDB. Desde a eleição de 2006, o partido de Lula se sai melhor entre os eleitores mais pobres e menos escolarizados, enquanto o adversário do PT tem desempenho superior nas faixas de maior renda e escolaridade. Neste ano, o padrão se repetiu, segundo o Ibope. 

Outro recorte que mostrou diferenças entre o eleitorado de Bolsonaro e o de Haddad é o religioso. O Ibope feito na véspera da pesquisa, da mesma forma que todos os levantamentos anteriores realizados durante a campanha, apontou que Bolsonaro tinha desempenho melhor entre evangélicos que entre católicos. Já em relação a Haddad ocorreu o contrário. 

No recorte por raças feito pelo Ibope, o candidato do PT se saiu melhor entre os negros e pardos, enquanto Bolsonaro se destacou entre os brancos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.