Leonardo Benassatto/REUTERS
Leonardo Benassatto/REUTERS

Luciano Huck deixa aberta possibilidade de ser candidato no futuro

Questionado sobre sua declaração, o apresentador negou que estivesse se referindo ao pleito 2022

Daniel Weterman e Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 19h38

O apresentador de TV Luciano Huck, que cogitou ser candidato à Presidência da República e conversava com o PPS, deixou aberta a possibilidade de se lançar em uma disputa eleitoral no futuro. "Eu tenho tempo. Se eu quiser pensar nisso na minha vida lá para frente, sem dúvida eu vou estar mais preparado", disse o apresentador.

Huck participou de um debate sobre eleições organizado pelo escritório Bonini Guedes, na capital paulista. Questionado sobre sua declaração, o apresentador negou que estivesse se referindo a 2022. "Eu quero e eu vou participar cada vez mais", disse.

++ Com a desistência de Joaquim Barbosa, Paulo Câmara diz que PSB pode apoiar Ciro 

Comentando sua decisão de não concorrer, Luciano Huck afirmou que não "recuou" porque em momento nenhum disse que seria candidato. "Eu considerei de fato. Se tivesse, poderia ser competitivo, ainda mais com o time que a gente tinha", declarou. Em sua decisão de não concorrer, acrescentou, pesou o fato de ter que se decidir antes do prazo estabelecido pela legislação e a idade de seus filhos.

Um desafio, afirmou, seria ter condições de governar, se fosse eleito. "Não adianta ganhar eleição. Talvez, isso seja mais fácil. O difícil é governar", declarou, após a empresária Luiza Helena Trajano ter provocado o apresentador sobre a situação. "O problema era ele conseguir governar, fiquei com dó dele", declarou a executiva.

O apresentador afirmou que a sua participação nas eleições de 2018 será por meio dos movimentos cívicos. “RenovaBr e Agora!, juntos, vão lançar mais de 150 candidatos ao legislativo”, contabilizou. “No entanto, a renovação política não acontece nessa eleição, ela precisa de 2 ou 3 ciclos”, completou. 

++ Regras eleitorais diminuirão número de candidatos, avalia Jobim

Para Huck, a política brasileira está como uma "terra arrasada" e não há nenhum político brasileiro que represente o que defende como renovação. "Não vejo nenhuma liderança que eu admire de fato. Tem aqueles que a gente aceita, mas não vejo nenhum que esteja pensando o País de forma verdadeira, com propósito."

Ele também falou sobre o tipo de “Estado” em que acredita. “Acredito em um Estado eficiente e afetivo”. Embora perceba que hoje exista uma onda liberal, Huck afirmou que está mais conectado com a visão de uma sociedade igualitária do que com o mercado.

Tinder do voto. Segundo Huck, cerca de 20 movimentos estão se juntando para lançar uma plataforma de inteligência digital que o eleitor vai instalar no celular e, respondendo a perguntas sobre o que defende na política, será apresentado a candidatos de partidos pequenos que se apresentam como o "novo" na política.

"É a forma de encontrar novos candidatos e saber exatamente quem são eles", disse.

Luciano Huck citou que os três partidos que melhor representam a renovação nas eleições são o PPS, a Rede Sustentabilidade e o Novo. Ele declarou ainda que será publicamente um doador de campanhas e que estará próximo do PPS. "Vou fazer esse movimento [de doação] e será mais próximo do PPS."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.