Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Justiça nega pedido para análise de sanidade mental do agressor de Bolsonaro

Para juiz, não há elementos que 'sustentem a existência de dúvida relevante e plausível sobre a higidez mental do investigado'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 13h04

RIO - A 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora negou o teste de sanidade mental do agressor confesso de Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, no início da tarde desta quarta-feira, 12. O juiz Bruno Savino escreveu que, “até o presente momento”, não há elementos de informação que sustentem a existência de dúvida relevante e plausível sobre a higidez mental do investigado”.

O pedido havia sido protocolado pela defesa de Adelio. O juiz acrescentou que o indeferimento não impede a renovação do pedido, “desde que acompanhada de novos elementos de informação que indiquem o efetivo comprometimento da capacidade do investigado em entender o ilícito ou determinar-se conforme este entendimento”.

O juiz também facultou à defesa de Adelio o acesso de médico de sua confiança ao custodiado para que produza laudo técnico a fim de subsidiar eventual renovação do pedido de instauração de incidente de insanidade mental.

“Assim, caso requerido pela Defesa, oficie-se ao Exmo. Juiz Federal Diretor do Presídio de Campo Grande - MS, a fim de comunicar-lhe desta decisão. Caso a defesa apresente laudo médico ou documentos que digam respeito à condição de saúde de Adelio Bispo de Oliveira, de-se vista ao MPF. Nesta hipótese, fica decretado o sigilo destes autos a fim de resguardar a intimidade do investigado. Arquivem-se os autos, sem baixa na distribuição”, diz a decisão.

Procurada, a defesa de Adelio não se pronunciou até o momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.