Felipe Couri/TRIBUNA DE MINAS
Felipe Couri/TRIBUNA DE MINAS

Defesa pede avaliação psiquiátrica de agressor de Bolsonaro

Segundo advogado, pedreiro Adelio Bispo de Oliveira sofre de problemas mentais

Ricardo Galhardo / ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2018 | 05h00

MONTES CLAROS (MG) - A defesa de Adelio Bispo de Oliveira, o homem que foi preso em flagrante após ter dado uma facada na barriga do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) na quinta-feira passada, 6, pediu à Justiça para que ele seja submetido a testes psiquiátricos. O advogado Zanone Manuel de Oliveira Junior disse nesta segunda-feira, 10, ao Estado que vai insistir na tese de que o autor do atentado sofre de problemas mentais.

“Eu também achei ele articulado, só que algumas coisas são estranhas. Ele tem um histórico de problemas psiquiátricos, disse que fez isso a mando de Deus, isso não é normal”, afirmou o defensor do agressor. Segundo ele, Oliveira disse tanto aos advogados quanto para os responsáveis por sua prisão que já passou por diversos tipos de tratamento nos últimos anos.

“Ele afirmou isso pra nós e para a polícia. Mas, como cada dia estava numa cidade, não tem a documentação. Ele falou que fez acompanhamento com psiquiatra, neurologista, tem problema de sono. Estamos falando tudo isso na petição”, afirmou Oliveira Junior.

A procuradora da República Zani Cajueiro, do Ministério Público Federal em Juiz de Fora (MG), no entanto, afirmou ao Estado que Adélio Bispo de Oliveira mostrou “lucidez e coesão” em seu raciocínio na audiência de custódia realizada no município mineiro na sexta-feira, 7, um dia após sua prisão.

Na petição, a defesa pede autorização da Justiça para que Oliveira seja submetido a exames psiquiátricos na cadeia de segurança máxima em Campo Grande (MS), para onde foi transferido. O advogado não soube dizer quando irá a Campo Grande. “Estou deliberando com os advogados. Nós iremos, mas, por enquanto, estou deliberando”, afirmou.

Igrejas negam ter pago advogados de Adelio de Oliveira

Representantes da Igreja do Evangelho Quadrangular e Testemunhas de Jeová de Montes Claros (MG) negaram estar financiando a defesa de Adelio Bispo de Oliveira. “Isso não existe. Não tem cabimento”, disse o pastor Antonio Levi de Carvalho, superintendente da Igreja do Evangelho Quadrangular.

Segundo ele, não existe registro de que Oliveira tenha qualquer vínculo com a denominação, embora possa ter frequentado, eventualmente, algum culto. “Estou aqui há 13 anos e não tenho conhecimento disso. A secretária está há 43 anos e também nunca ouviu falar dele”, disse o pastor. “Mas temos muitos membros frequentadores.”

O pastor disse que, apesar da repercussão na imprensa, a vinculação do nome de Oliveira não trouxe problemas para a Igreja até agora. “O único incômodo é ter que repetir sempre a mesma fala”, afirmou o pastor.

As Testemunhas de Jeová emitiram uma nota na qual negam que Oliveira tenha feito parte da congregação. “O senhor Adelio Bispo de Oliveira e sua família não são Testemunhas de Jeová. Também esclarecemos que as Testemunhas de Jeová não são responsáveis e não possuem qualquer relação com a contratação de advogados para a defesa do senhor Adelio”, diz a nota.

“As Testemunhas de Jeová são cristãs, amam a vida e as pessoas em geral, e não toleram qualquer tipo de violência ou agressão.”

A reportagem esteve nesta segunda nas imediações das duas igrejas. Em nenhuma delas encontrou alguém que tenha conhecido o pedreiro pessoalmente. “Depois que aconteceu fui perguntando até descobrir quem são os parentes dele. Mas, nunca vi por aqui, não”, disse Maria Vitoria do Nacimento, que mora perto da Igreja do Evangelho Quadrangular da cidade.

Nas proximidades do templo das Testemunhas de Jeová, as pessoas estavam mais receosas de comentar o assunto. Uma fiel disse que existe o temor de retaliações por parte de apoiadores de Bolsonaro.

As duas denominações foram citadas em entrevistas pelo advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, que comanda a equipe de quatro defensores de Oliveira. Indagado pelo Estado, o advogado disse que foi mal compreendido. “A pessoa me pediu sigilo. Tudo que você me pedir vou responder ‘não sei’. É uma pessoa de Montes Claros ligado ao meio religioso. O pessoal entendeu ou eu não soube explicar que seriam Testemunhas de Jeová ou evangélico. É uma pessoa que quis ajudar, nos contratou e aqui estamos.”

Zanone contestou entrevista do advogado Marcelo Manoel da Costa, que também integra a defesa do agressor. Ao jornal Estado de Minas, disse que aceitou o caso do agressor de Bolsonaro em troca da exposição na mídia. “Doutor Marcelo foi chamado pelo doutor Pedro (Augusto de Lima Felipe e Possa), que foi chamado por mim. A pessoa só entrou em contato comigo. Quem recebeu fui eu. É o meu escritório que foi contratado. O doutor Marcelo nem sabe quem contratou”, afirmou Oliveira Jr.

O advogado foi nesta segunda a Juiz de Fora, mas, desta vez, de carro, não em seu avião particular. Segundo ele, por motivos de segurança. “Várias pessoas estão insatisfeitas com a nossa atuação. Os correligionários. Envolve política, emoção, paixão. Dá uma olhada nas minas redes sociais”, afirmou o defensor do pedreiro.

Zanone Manuel de Oliveira Jr. no entanto, descartou a possibilidade de pedir proteção por causa da repercussão do atentado ao presidenciável do PSL. “Tive colegas que já acionaram a polícia. Eu não fiz nada. Já vivi isso umas 20 vezes”, disse o advogado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.