Ricardo Stuckert
Ricardo Stuckert

Haddad tem dia de candidato e faz até metáfora futebolística

Registrado como vice de Lula nas eleições presidenciais, ex-prefeito muda discurso e inicia viagens pelo Nordeste

Ricardo Galhardo e Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 22h32

BRASÍLIA - Registrado como vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad teve um típico dia de candidato nesta quarta-feira, 15, em Brasília. Nome mais cotado para substituir Lula na disputa presidencial nas eleições 2018, Haddad foi abraçado e beijado por manifestantes que pediam selfies, falou em nome do ex-presidente, foi alvo de disputa entre candidatos a governador e chegou até a fazer metáforas futebolísticas, uma das marcas de Lula.

Na próxima semana, o vice estreia sua agenda de candidato. Vai passar quatro dias viajando em campanha por Estados do Nordeste. A turnê deve começar pelo Piauí, mas a agenda ainda não foi fechada por falta de tempo para atender aos convites de todos os candidatos petistas aliados a governador na região. A ideia inicial era uma caravana de sete dias, porém, a pedido de Haddad, foi reduzida para quatro. Já Manuela  d'Ávila (PCdoB), que é cogitada para ser vice numa chapa com Haddad, também deve percorrer alguns Estados na semana que vem.

"Queremos ganhar a eleição e o prazo é curto. Se o povo é quem decide, Haddad tem que ir onde o povo está", justificou o governador da Bahia, Rui Costa (PT), candidato à reeleição. 

Embora o vice tente garantir que o objetivo das viagens é apenas levar a mensagem de Lula, dirigentes petistas dizem que a ideia é iniciar a complicada tarefa de transferir votos de Lula para o ex-prefeito de São Paulo. 

Antes do registro da candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Haddad participou de um almoço com governadores e lideranças petistas na sede do partido. Depois deu uma entrevista onde fez a primeira metáfora futebolística, uma novidade em seus discursos. "O penta vai ser do Lula", afirmou.

TV ESTADÃO - PT registra candidatura de Lula ao Palácio do Planalto

Depois do registro, na frente do TSE, o candidato a vice disse que "nós temos o craque, ainda disponível para jogar bola. Vamos deixar o cara no banco? Temos que convocar o Lula".  Dirigentes petistas registraram a mudança no discurso e no estilo do ex-prefeito, até pouco tempo considerado tímido diante do público. 

Enquanto a maioria dos petistas se esforça para esconder que Haddad é o plano "B", o ex-ministro Jaques Wagner, também cotado para substituir Lula, foi explícito. "Minha torcida é absoluta para que a gente consiga o registro dele (Lula) e se não conseguir me parece que o jogo está jogado. Se a Justiça interditar, o natural é o Haddad", afirmou. 

Conexão Estadão - Jornalistas debatem registro da candidatura de Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.