André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Jaques Wagner descarta substituir Lula e vê Haddad como candidato 'natural' do PT

Ex-ministro participou de um almoço com Haddad, governadores e lideranças petistas na sede do partido em Brasília

Ricardo Galhardo, Enviado especial/Brasília

15 Agosto 2018 | 14h34

O ex-ministro Jaques Wagner, candidato a senador pelo PT da Bahia e apontado por setores do partido como possível substituto de Luiz Inácio Lula da Silva na disputa presidencial nas eleições 2018, rejeitou hoje a possibilidade de concorrer à Presidência e disse que o ex-prefeito Fernando Haddad é o nome "natural" para representar o PT caso o ex-presidente seja impedido pela Justiça. 

"Agradeço aos que torcem mas sou daqueles que defenderam que a gente não deveria ter substituto do PT. Minha tese foi vencida até porque os fatos se sobrepuseram", disse Wagner. "Minha torcida é absoluta para que a gente consiga o registro dele (Lula) e, se não conseguir, me parece que o jogo está jogado. Se a Justiça interditar, o natural é o Haddad assumir", completou.

Wagner participou de um almoço com Haddad, governadores e lideranças petistas na sede do partido em Brasília. Antes do almoço, em conversa com jornalistas, o ex-ministro tentou corrigir uma declaração feita há dois dias na qual defendeu o direito de o ex-prefeito ser mais exposto pelo partido. 

"Falei de expor Haddad como vice. Ele é vice. Vi alguém comentando que era ruim que ele circulasse. Ele foi colocado como vice para isso, para circular defendendo as ideias do programa de governo. Então não é expô-lo como candidato a presidente", disse Wagner.

Questionado sobre ter se referido a uma  "estratégia de substituição", ele saiu em defesa de Lula. "Acabei de ler que o STJ liberou um deputado para registrar a candidatura. Então quer dizer que só vai valer para o Lula mesmo não poder registrar? Está ficando um negócio kafkiano", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.