Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Ex-apresentadora da Globo recorre à Justiça para disputar as eleições 2018

Valéria Monteiro barrou decisão do PMN que vetava candidatura própria da sigla à Presidência

Rene Moreira - especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 08h27

FRANCA - Ex-apresentadora do Jornal Nacional e do Fantástico, da TV Globo, a jornalista Valéria Monteiro conseguiu barrar a decisão do Partido da Mobilização Nacional (PMN) que veta candidatura própria do partido para a presidência da República. Após entrar na Justiça, ela teve mandado de segurança acatado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último sábado, 30.

+ A 45 dias da campanha, TSE admite rever limite diário para 'vaquinha virtual' nas eleições 2018

O tribunal manda a pré-candidatura de Valéria, natural de Belo Horizonte (MG), ser levada à convenção nacional do partido. A medida é assinada pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho. Valéria tem usado recursos próprios desde fevereiro em uma caravana pelo País.

"Estou comemorando muito, pois é uma vitória dupla. É também a primeira vez que o TSE concede uma liminar do tipo durante o período de pré-campanha", disse ao Estado. Para ela, isso abre um precedente para quem quer se candidatar e enfrenta a resistência partidária.

+ Ofensiva da defesa de Lula faz STF avaliar candidatura nas eleições 2018

A jornalista diz que já percorreu 20 mil qulômetros de carro em 19 Estados. Para Valéria, esse trabalho "de formiguinha" aliado ao uso das tecnologias possibilitaria vencer uma eleição sem gastar muito. "Acho que cerca de R$ 200 mil é suficiente para fazer a campanha", disse. 

Indagada sobre de onde sairia o dinheiro, já que abriu mão do fundo partidário, a pré-candidata diz contar com recursos como os da vaquinha virtual aberta em seu favor na internet. "Vai aumentar (a arrecadação), principalmente, após essa decisão da Justiça", prevê.

+ Financiamento coletivo estimula engajamento eleitoral, dizem especialistas

Filiada desde janeiro de 2018 ao PMN, Valéria diz ter entrado na sigla para disputar a Presidência. Ela aguarda a convenção nacional da sigla, em 21 de julho, para ter sua candidatura aceita ou não pelo partido. "O povo quer isso", diz, otimista.

A reportagem procurou o diretório nacional do PMN para obter uma posição do partido sobre a candidatura da jornalista e saber se apresentará recurso no TSE, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.