Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Encontro com Marina frustra integrantes do Agora!

Jantar organizado pelo apresentador Luciano Huck tinha objetivo de aproximar o movimento da pré-candidata da Rede

Gilberto Amendola, Marianna Holanda e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 05h00

O jantar promovido nesta quarta-feira, 20, pelo apresentador Luciano Huck com a presença da ex-ministra Marina Silva (Rede) e integrantes do movimento Agora! frustrou as expectativas dos ativistas presentes. Segundo relatos de participantes, a ideia era tentar romper o isolamento político da pré-candidata, que até agora não se aproximou de nenhuma legenda para as eleições 2018. 

Defendida por setores da Rede, uma eventual aliança com o PPS, que poderia indicar o presidente da legenda, Roberto Freire, como vice na chapa, foi abordada no encontro, mas Marina teria demonstrado pouca disposição para o diálogo.

No domingo, o senador Randolfe Rodrigues (AP) afirmou ao Estado que a Rede estaria buscando Freire para ser vice na chapa de Marina. O presidente do PPS, contudo, nega que tenha sido procurado e continua defendendo que o seu partido mantenha o compromisso de apoio ao tucano Geraldo Alckmin. 

+++‘Centro se afunila entre Alckmin e Marina’, afirma Roberto Freire

No jantar, Marina elogiou Freire, lembrou que eles estiveram juntos na disputa presidencial de 2014 (o PPS apoiou a candidatura de Eduardo Campos/Marina, do PSB) e que isso tornaria uma aliança entre as siglas algo “natural”. Marina não deu, porém, nenhum indicativo de que iria procurá-lo, ou de que se esforçaria para costurar um acordo. 

Após o encontro, o apresentador telefonou para Freire, relatou o encontro e estimulou o dirigente a procurar a ex-ministra. A avaliação no PPS, porém, é de que a iniciativa de um eventual diálogo teria que partir dela.

+++Alckmin diz estar em processo de 'aproximações sucessivas' com o centro

O partido, que conta com oito deputados federais, está hoje alinhado com Geraldo Alckmin por determinação aprovada no último seu congresso nacional, realizado em março deste ano. A avaliação majoritária do PPS é de que a legenda sozinha não tornaria Marina competitiva. 

A Rede tem apenas cerca de 10 segundos no horário eleitoral gratuito de rádio e TV. Além disso, a legenda, que possui somente dois deputados federais, não conta com pré-candidatos competitivos nos Estados, tem uma estrutura partidária precária e poucos recursos do fundo público eleitoral. 

PPS e Rede abrem portas para movimentos de renovação política

Neste ano, o PPS e Rede abriram as portas para os movimentos de renovação política. O Agora! foi um deles. A aproximação capitaneada por Huck representa essa ala “nova” do partido de Freire. Esse grupo, contudo, resiste em apoiar Alckmin. 

+++Marina volta a chamar Fernando Meirelles

Procurada, a assessoria da Rede disse que o jantar foi uma conversa sobre “uma eventual possibilidade” de apoio do Agora! à candidatura de Marina. 

A assessoria de Huck e integrantes do movimento não quiseram se manifestar. 

+++Divergências no centro após manifesto dificultam união

O movimento Agora!, do qual Huck faz parte, vai participar do próximo dia 28, em São Paulo, de ato político do chamado “polo democrático e reformista”, movimento suprapartidário que tenta unificar as pré-candidaturas do centro ainda no primeiro turno. Também estarão presentes os movimentos Juntos e Acredito. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso confirmou presença. Os integrantes do grupo tentam atrair Marina Silva para o debate, mas ela resiste.

Segundo interlocutores do PPS, Luciano Huck estaria empenhado em reduzir o número de candidaturas para evitar que a eleição seja polarizada entre um nome da esquerda e Jair Bolsonaro, do PSL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.