IGO ESTRELA/METRÓPOLES
IGO ESTRELA/METRÓPOLES

Em jantar, Maia, Temer e Aécio discutem candidatura tucana

Encontro na residência do presidente da Câmara teve como principal tema a hipótese de substituir Alckmin por Doria

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 00h11

BRASÍLIA - A possibilidade de substituir Geraldo Alckmin por João Doria na chapa presidencial do PSDB nas eleições 2018, unindo o MDB e o DEM em torno desse novo candidato, foi o principal assunto de um jantar promovido na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na noite desta quinta-feira, 21.

O encontro, que teve Maia como anfitrião, reuniu o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco. Apesar de acertada há alguns dias, a reunião não constava da agenda oficial nem de Temer nem de Maia.

+++As ‘pedras no sapato’ de Alckmin

O Estado apurou que foi feita ali uma avaliação de que Alckmin, estagnado nas pesquisas de intenção de voto, não consegue empolgar e, se nada for feito, o chamado centro político estará fora do segundo turno da disputa. O governo, a cúpula do MDB e setores expressivos do DEM têm simpatia por Doria.

+++8 candidatos e 1 segredo

A conversa não foi conclusiva, mas serviu para medir a temperatura da disputa, a menos de quatro meses da eleição. Na prática, todos queriam montar o xadrez  e saber com quais aliados poderiam contar e quem seria o vice se a chapa fosse liderada por Doria, que tem negado a possibilidade de disputar à Presidência.

O pré-candidato do MDB ao Palácio do Planalto é o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, que até hoje está estacionado em 1% das intenções de voto. No diagnóstico do governo, porém, ele não conseguiu “desencarnar” do posto de  chefe da equipe econômica nem vestir o figurino de candidato.

+++Doria anuncia apoio do PP nas eleições 2018 e sugere vaga ao Senado para Paulo Skaf

Maia, por sua vez, já disse que abrirá mão de sua candidatura, em julho, para avalizar um nome capaz de vencer os extremos de direita e de esquerda. O problema é que, no seu diagnóstico, esse concorrente ainda não apareceu. O receio do grupo é de que o deputado Jair Bolsonaro (PSL), considerado de extrema direita, vá para o segundo turno com algum concorrente do campo da esquerda, seja ele Ciro Gomes (PDT) ou um indicado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – caso o petista, preso, seja barrado pela Lei da Ficha Limpa. 

Os rumores sobre uma possível troca de Alckmin não são de hoje, mas, nos últimos dias, Doria acelerou sua campanha ao Palácio dos Bandeirantes. Conquistou o apoio do PP e do DEM, que deve indicar o deputado federal Rodrigo Garcia (SP) para vice da chapa. Além disso, está oferecendo uma das vagas ao Senado a Paulo Skaf, hoje pré-candidato do MDB ao governo paulista.

+++‘Centro se afunila entre Alckmin e Marina’, afirma Roberto Freire

Alckmin, por sua vez, passou a quarta-feira em Brasília em reuniões com o DEM, o PTB e o PRB. Elogiou Maia, a quem chamou de “uma grande liderança jovem e com espírito público” e disse que estava em processo de “aproximações sucessivas” com o centro. Naquele dia, o ex-governador de São Paulo tomou café da manhã, na casa do deputado e ex-ministro da Educação Mendonça Filho, com o prefeito de Salvador, ACM Neto - presidente do DEM - e com Rodrigo Garcia, líder do partido na Câmara.

O tucano ouviu dos presentes várias dúvidas sobre sua capacidade de superar os obstáculos e se mostrar como um político novo na campanha. Apesar das divergências internas, integrantes do bloco formado por DEM, PP, PRB, Solidariedade e PSC dizem, nos bastidores, estar mais inclinados a apoiar Ciro Gomes, com quem muitos deles jantaram na terça-feira, também em Brasília.

Candidato do PSDB é Geraldo Alckmin, diz coordenador de campanha

Aécio negou que a reunião na residência oficial de Maia tenha discutido a substituição na chapa presidencial do PSDB. “Não tratamos desse assunto, até porque não participo das articulações da campanha presidencial”, afirmou o senador, por meio de sua assessoria. “Tenho dito, inclusive, que Alckmin será beneficiário do voto útil ainda no primeiro turno, o que vai levá-lo à segunda rodada e ele vencerá as eleições.”

Alckmin entrou no lugar de Aécio na presidência do PSDB depois de vir à tona a delação da J&F. O senador foi gravado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista e hoje é réu da Lava Jato.

+++PGR pede mais 60 dias em duas investigações contra Aécio no STF

Procurado, o coordenador de campanha de Alckmin, Marconi Perillo disse não ter informação sobre o encontro na casa de Maia. “O candidato do PSDB é Geraldo Alckmin. Será presidente e levará o País a um novo patamar de desenvolvimento social e econômico”, declarou. Maia não quis comentar o tema da reunião. “Não teve nada demais. Nenhum assunto fechado. Apenas conversamos sobre conjuntura”, afirmou o presidente da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.