Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Após embate, Bolsonaro tenta minimizar ataque de Marina Silva

Candidato do PSL negou que tenha sido grosseiro com a ex-senadora, que o pressionou após resposta sobre mulheres

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2018 | 14h30

RIO - O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, minimizou o embate que teve com a candidata Marina Silva (Rede) no debate desta sexta-feira, 17, na RedeTV. Ele negou que tenha sido grosseiro com a ex-senadora, que, insatisfeita com uma resposta de Bolsonaro sobre mulheres, criticou o posicionamento do deputado acerca da desigualdade salarial entre homens e mulheres. 

“Eu acho que fui duro o suficiente, porque estava discutindo ali a questão do aborto e legalização da maconha. Ela não gostou porque perdeu praticamente o apoio de certos setores da sociedade que ela tinha e não tem mais”, disse Bolsonaro após cerimônia de formatura de cadetes na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em Resende, no sul fluminense. “Ela gritou comigo, me interrompeu, e eu a tratei com a maior cordialidade possível."

No Twitter, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do candidato, reforçou o discurso de que o pai estaria no papel de vítima diante da concorrente. "Marina Silva deu passos nas direção (sic) de Bolsonaro com a intenção de intimidá-lo. Imagina se fosse o contrário?", escreveu. 

Questionado se havia preocupação de impopularidade entre o eleitorado feminino, Bolsonaro afirmou que há uma tentativa de rotulá-lo como contrário aos direitos das mulheres. “Estão tentando me jogar contra as mulheres, contra os negros, contra os gays. É essa tentativa o tempo todo de me rotular. Eu defendo a mulher para valer”, disse o candidato do PSL. Segundo a última pesquisa Ibope, 55% do eleitorado indeciso é feminino - e, dentro do eleitorado de Bolsonaro, há uma discrepância entre homens e mulheres. 

O presidenciável argumentou que sempre há mulheres nos palanques de seus comícios e que defende a lei do feminicídio aliada à posse de armas de fogo para que elas possam se defender. Bolsonaro acrescentou ainda que "adora as mulheres" e, para exemplificar, citou sua paternidade. “Você duvida? Tenho cinco filhos”, brincou o candidato. 

Após o debate desta sexta-feira, Marina disse que os concorrentes eleitorais costumam subestimar as mulheres e que é preciso se preocupar com a desigualdade salarial entre elas e os homens. “Há um desrespeito com a democracia, com a verdade ao dizer que não se precisa se preocupar porque já está resolvido na CLT. Não está resolvido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.