Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Discurso de Janaína Paschoal surpreende e irrita aliados de Bolsonaro

Uma das autoras do impeachment, a professora e advogada discursou sobre aborto e que não é necessário sair falando que é preciso acreditar em Deus; ela ainda não decidiu sobre convite de ser vice

Daniela Amorim, Constança Rezende e Leonêncio Nossa, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2018 | 13h05

Cotada nos últimos dias para concorrer como vice na candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República nas eleições 2018, a advogada Janaína Paschoal (PSL) foi a segunda pessoa mais aplaudida ao chegar à convenção nacional do Partido Social Liberal (PSL). Contudo, seu discurso desagradou a aliados de deputado e ao próprio Bolsonaro, que não escondeu a irritação quando ela falou que "as pessoas não precisavam seguir ele". A advogada disse que ainda não se decidiu se aceita o convite feito pelo deputado.

A indecisão de Paschoal, a terceira opção do parlamentar fluminense para compor a chapa presidencial, reflete o isolamento político e a dificuldade de Bolsonaro agregar apoio do mundo político à sua campanha. Janaína disse que "não é possível decidir (sobre ser vice) em dois dias. "Estamos dialogando", afirmou. 

Janaína discursou aos partidários de Bolsonaro pedindo moderação e tolerância. Ela criticou a defesa de um pensamento único e defendeu que é necessário pensar na governabilidade. “Não se ganha a eleição com pensamento único. E não se governa uma nação com pensamento único”, disse Janaína. “A minha fidelidade não é ao deputado Jair Bolsonaro. A minha fidelidade é ao meu País”, completou.

Segundo ela, é preciso pensar na campanha, mas também na governabilidade caso saiam vitoriosos do pleito. "Enquanto procuramos pessoas que estejam dentro da totalidade do nosso pensamento, eles estão se unindo", alertou ela.

Sobre religião

A advogada também tocou sobre assuntos como drogas e aborto. Ela também recomendou aos presentes na convenção que não era necessário sair "falando para as pessoas acreditar em Deus". A fala irritou alguns pastores evangélicos presentes ao ato.  

Recebido sob gritos de "Mito!" e "Eu vim de graça!", Jair Bolsonaro se emocionou com a recepção calorosa de seus partidários e chorou quando foi executado o hino brasileiro. Também serão oficializadas na ocasião as candidaturas de Flávio Bolsonaro ao Senado e demais escolhidos pelo partido para concorrer aos cargos de deputado estadual e federal pelo Rio de Janeiro.

O senador Magno Malta (PR-ES), que também já teve o nome cotado para figurar como vice na chapa de Bolsonaro, discursou em apoio ao presidenciável durante a convenção do PSL. Malta preferiu se candidatar novamente ao Senado do que concorrer na chapa com o PSL.

"O que o Brasil quer e o que eu quero é um homem de mãos limpas, e você tem mãos limpas. E um homem cristão, você é cristão. O Brasil quer um homem que tem sangue no olho para enfrentar vagabundo", disse Malta a Jair Bolsonaro.

Veja vídeos da convenção do PSL: 

Integrantes do movimento monarquista comparecem ao lançamento da candidatura. No vídeo, a conversa com José Geraldo Fajardo, artista plástico, 57 anos, (à esquerda) e Bruno Hellmuth, médico, 68 anos. 

Apoiador de Jair Bolsonaro fala sobre os motivos que o fazem votar no candidato do PSL. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.