Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Depois de encontrar FHC, Alvaro Dias diz que sua candidatura é 'irreversível'

Em São Paulo, o senador participou de um evento na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em que defendeu a necessidade de 'aglutinar forças a favor do interesse nacional'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 13h01

O senador Alvaro Dias, pré-candidato do Podemos à Presidência da República, disse nesta quinta-feira, 5, que sua candidatura à Presidência é "irreversível". A declaração ocorre após um encontro com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na capital paulista, na segunda-feira. Ele deu, no entanto, uma condição para a convergência do chamado "centro" na disputa presidencial: o rompimento com o "balcão de negócios" em Brasília, ou seja, a troca de apoio partidário por interesses individuais de bancadas, e o compromisso com o que defende como "a refundação da República".

++ Temer e FHC mostram preocupação com cenário eleitoral

++ Alckmin busca vínculo com governo FHC e diz ter convocado 'pais do Plano Real'

"Não haverá força humana capaz de promover um recuo em relação à nossa candidatura", disse o senador, ao lado da presidente do seu partido, deputada Renata Abreu (SP), durante palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A declaração veio após provocação da deputada que o estimulou a falar de sua experiência como senador e governador do Paraná. Na segunda-feira, conforme revelou o jornal O Globo, Dias se encontrou com FHC no apartamento do ex-presidente, em São Paulo.

Ao se referir a notícias de que Renata Abreu estava oferecendo sua "cabeça" para uma aliança eleitoral, o senador insistiu em ser enfático. "Estou peremptoriamente afirmando: se querem a convergência do centro, que convirjam para essa proposta. Nós queremos coesão também, e que se dê em torno de rompimento com esse sistema definido como balcão de negócios e compromisso de refundação da República que, certamente, é o sonho de todos os brasileiros."

++ Alvaro Dias critica ministros do STF: 'Leis são interpretadas ao sabor da conveniência'

Em sua fala, o senador defendeu a necessidade de "aglutinar forças a favor do interesse nacional" para romper com o que considera como sistema política que causou a crise econômica nacional e originou os casos de corrupção. Ao falar do combate à corrupção, o pré-candidato citou apenas o PT na palestra, ao falar do Mensalão e da Lava Jato.

Em um recado para "aventureiros", ele atacou presidenciáveis na disputa, sem citar nomes. "Sem atingir ninguém diretamente, quem nunca foi cogitado para ser síndico de onde mora, para ser prefeito de sua cidade, governador do seu Estado, não pode arvorar-se em ser candidato à Presidência da República em um país mergulhado num oceano de dificuldades", disse Dias, sendo aplaudido pela plateia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.