Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ciro é vaiado por empresários ao criticar reforma trabalhista

Ao dizer que reforma foi 'selvageria', pré-candidato do PDT foi vaiado por plateia; ao final de sua fala, arrancou aplausos quando disse que vai agir sobre o câmbio e o juros, se for eleito

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2018 | 17h06

BRASÍLIA - O pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, foi vaiado em evento promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta quarta-feira, 4, em Brasília, ao defender que a reforma trabalhista foi uma "selvageria" aprovada contra os trabalhadores. Ele voltou a dizer que, se eleito, irá ouvir todos os setores antes de sugerir uma nova proposta para a área.

++ Marina critica e promete mudanças na reforma trabalhista a plateia de empresários

++ Alckmin minimiza resultado de pesquisas e enaltece alianças por tempo de TV

"Não tenho poder de revogar a reforma trabalhista no primeiro dia. Precisamos substituir essa selvageria por uma verdadeira reforma trabalhista. Meu compromisso com as centrais sindicais é botar esta bola de volta para o meio de campo", disse. O discurso fez com que parte da plateia iniciasse uma vaia contra o pré-candidato.

Ciro reagiu. "Pois é, vai ser assim mesmo. Se quiserem presidente fraco, escolham um desses aí que vêm com conversa fiada para vocês." Em seguida, o pré-candidato pediu que a plateia colocasse a "mão na consciência". "50 milhões de compatriotas nossos estão vivendo o pão que o diabo amassou na informalidade. Vamos colocar a mão na consciência, cavalheiros", afirmou. O evento promovido pela CNI, chamado "Diálogo da Indústria com os candidatos à Presidência da República", tem como objetivo apresentar aos presidenciáveis propostas do setor para as eleições deste ano.

Antes do fim de seu tempo, Ciro voltou a falar sobre o assunto e procurou defender que o problema da indústria brasileira não são os salários de trabalhadores, mas sim a política de câmbio e juros. Em seguida, ele arrancou aplausos da mesma plateia ao dizer que irá agir sobre "os dois preços centrais que estão desindustrializando o Brasil: câmbio e juros". "Vou agir para a indústria sobreviver e competir", acrescentou ao receber apoio dos presentes no evento.

O episódio irritou o pré-candidato. Em coletiva de imprensa após o evento, Ciro minimizou as vaias e criticou as perguntas dos jornalistas sobre o caso. "Não tem jeito, é a isso que vocês vão dar destaque. Escreva o que você quiser", disse a um jornalista. "Fui vaiado por uma pequena fração da plateia, mas não estou preocupado. Meu lado é o lado da classe trabalhadora", afirmou.

Ele também ironizou o fato de a mesma plateia ter aplaudido, mais cedo, o pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que também discursou no evento da CNI. "Sinal dos tempos", respondeu. "Cada um tem o candidato que merece, eu teria vergonha de bater palma para o Bolsonaro", afirmou.

Crítica ao Judiciário. Mais uma vez, Ciro Gomes defendeu que é preciso restaurar o poder político no Brasil. Ele criticou a postura da Justiça brasileira. "O Judiciário brasileiro precisa voltar para o seu quadrado, o Ministério Público precisa voltar para o seu quadrado. O Brasil precisa ter clareza de que formação bruta de capital exige governo forte. A quem serve presidências fracas? A quem serve democracias que o presidente da República nomeia um ministro para o Supremo e este proíbe um ministro (de Estado) de tomar posse. Precisamos restaurar a força do poder político", disse.

Em 2016, a ex-presidente Dilma Rousseff foi impedida de nomear o ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. Mais recentemente, o STF também suspendeu a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) como ministra do Trabalho. O pré-candidato do PDT não deixou claro a qual episódio estava se referindo.

Sem citar diretamente o presidente Michel Temer, Ciro ainda disse que "há um quadrilheiro" na Presidência da República. "Há uma anarquia generalizada no nosso País; o poder político de Brasília está desmoralizado e perdeu capacidade de governar. Há um quadrilheiro na Presidência da República, que conheço de longa data", complementou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.