Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bolsonaro decide indicar general da reserva para Ministério da Infraestrutura

Oswaldo Ferreira, de 64 anos, ficará à frente de pasta que comandará áreas de transportes, portos e aviação; confirmação depende apenas do próprio militar

Leonencio Nossa e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 21h43

BRASÍLIA - O presidente eleito, Jair Bolsonaro, (PSL) decidiu que o futuro Ministério da Infraestrutura será chefiado pelo general da reserva Oswaldo Ferreira, de 64 anos. A nova pasta incluirá as áreas de transportes, portos e aviação. Com experiência no Departamento de Engenharia do Exército, Ferreira coordenou durante a campanha os grupos de trabalho sobre atividades do governo.

Principal conselheiro de Bolsonaro na área de infraestrutura, o general acompanhou o novo presidente nesta terça-feira, 6, pelos gabinetes do Congresso e unidades militares de Brasília. Em conversa com jornalistas, Bolsonaro, ao lado de Ferreira, evitou responder se o oficial da reserva será ministro. “Ele (Oswaldo Ferreira) está aqui, pergunta para ele”, disse a repórteres. Depois, Bolsonaro argumentou que era preciso “amadurecer” um nome, porque é uma “tremenda” responsabilidade fazer anúncios que depois não se confirmam.

Auxiliares de Bolsonaro afirmam que a confirmação de Oswaldo Ferreira no cargo depende apenas do próprio general. Em conversas nos últimos dias, Ferreira disse ao presidente eleito que precisa saber os limites que terá para atuar na pasta e se terá “liberdade” de ação. Discreto, ele se destacou ao longo da campanha na articulação de militares, acadêmicos e técnicos de áreas como infraestrutura, educação e saúde que deram subsídios a Bolsonaro. No mês passado, em entrevista ao Estado, o general chegou a afirmar que, no seu tempo, “não havia Ministério Público nem Ibama para encher o saco”.

Em conversas com aliados, Oswaldo Ferreira disse que há possibilidade num orçamento contingenciado de retomar obras de infraestrutura que estão paradas especialmente no Nordeste. A lista de prioridades incluirá projetos do antigo PAC dos governos petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. A conclusão da BR-163, no trecho do Pará, é uma das obras consideradas emergenciais pelo general da reserva. Ferreira também pretende fazer um novo pacto com construtoras e empreiteiras atingidas pelas investigações da Operação Lava Jato.    

General Heleno pode ir para o GSI

Nesta terça-feira, Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 6, que o general Augusto Heleno pode ser indicado para ocupar o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Ainda de acordo com presidente eleito, novos nomes do gabinete devem ser divulgados até a sexta-feira, 9. "No que depender de mim, Heleno pode ir para o GSI", afirmou o presidente eleito, em coletiva de imprensa após sair do Comando da Marinha, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.