Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Bolsonaro afirma que recebeu ligação do presidente da Argentina

Candidato do PSL diz em entrevista à Record que conversou com Maurício Macri e afirma que, se eleito, irão 'trabalhar juntos'

Thaís Barcellos e Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2018 | 22h35

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, disse, em entrevista à Record TV nesta terça-feira, 16, que recebeu uma ligação do presidente da Argentina, Mauricio Macri. "Eu já sabia que ele tinha essa vontade de conversar um pouco comigo." Segundo Bolsonaro, foi uma conversa rápida, de 4 a 5 minutos, em que os dois falaram sobre "amenidades". "Falei que somos grandes parceiros um do outro, que rivalidade é somente no futebol", disse, completando que um assessor de Macri o entregou uma camisa da Argentina. "Não vesti, mas fiquei muito feliz."

Questionado sobre se teria conversado sobre parcerias comerciais em um eventual governo, o candidato do PSL disse apenas que eles irão "trabalhar juntos." Bolsonaro afirmou que ficou feliz também com a eleição de Mario Abdo Benítez no Paraguai e de Sebastián Piñera no Chile, e que, juntos, se ele for eleito, formarão "o lado bom" da América do Sul. "Não teremos uma grande pátria bolivariana, nem queremos a supremacia de um país sobre o outro. Queremos nossa integração pelo lado do bem dos nosso povos."

Bolsonaro ainda repetiu que vai, caso eleito, extraditar o italiano Cesare Battisti, o que seria, segundo ele, um "presente" ao embaixador da Itália, conforme prometido há um ano. "Afinal de contas, não podemos dar aqui guarida para terrorista", afirmou, destacando que o julgamento de Battisti foi reconhecido como válido pelas entidades de direitos humanos da Europa.

O presidenciável também rebateu acusações do adversário Fernando Haddad (PT) de ligações com a Ku Klux Klan (KKK), grupo extremista dos EUA, após um ex-líder ter elogiado Bolsonaro. "Eu jamais tenho identidade com a KKK. Ele usa isso aí para tentar me desqualificar, de que eu vou ser o elemento que vai perseguir certas raças. Isso não existe."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.