ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Alckmin nega irritação com tucanos por falta de apoio à pré-candidatura

Jornais noticiaram que ex-governador teria se irritado com aliados em um jantar, que pressionavam por sua campanha estar estagnada

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 13h23

O pré-candidato à Presidência a República Geraldo Alckmin (PSDB) negou que tenha se irritado com lideranças de seu partido por suposta falta de apoio a sua pré-candidatura. Ele foi questionado pela imprensa sobre o assunto, em um evento esvaziado, na manhã desta quarta-feira, 6, na zona norte do Rio de Janeiro, para anunciar suas propostas para a segurança pública do País.

++ Alckmin define Bolsonaro como alvo

“Hoje, o tema político é só o tema da Segurança Pública. A política aqui é a segurança. Escolhemos o Rio de Janeiro exatamente porque essa é uma preocupação do Rio de Janeiro. Não é comum você ter uma intervenção federal. Nós pretendemos dar toda a prioridade para isto. Isso tem que estar na agenda do Governo Federal, vamos focar na questão da Segurança Pública”, disse.

Após apresentar o seu plano, Alckmin abriu perguntas da imprensa, que logo questionou se o pré-candidato estaria insatisfeito com a mobilização de seu partido. Nesta quarta-feira, a Folha de S. Paulo e o Globo noticiaram que o ex-governador teria se irritado em jantar com aliados, que pressionavam por sua campanha estar estagnada. 

No suposto evento "lavagem de roupa suja do partido", Alckmin teria até perguntado a correligionários se eles queriam outro nome para candidato e reclamou da falta de apoio nos estados. Ao ser questionado se chegou a jogar um guardanapo na mesa durante este jantar, ele respondeu que “não teve isso” e que a sua relação com aliados "está ótima".  Porém, ao responder como seria o seu palanque do Rio, o tucano disse: "estou querendo saber também", e riu. 

++ Alckmin precisa de um bom desempenho em São Paulo para não repetir erro de Aécio, dizem aliados

O tucano também aproveitou o evento para fazer um convite público ao pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ), apontado como o seu alvo na campanha, para debater sobre Segurança Pública. A sugestão foi feita quando ele respondia sobre as diferenças de seu plano com o do adversário. “Não conheço as propostas do nosso concorrente. Até faço o convite a ele, se ele quiser, para fazer o debate sobre Segurança Pública, seja pela televisão, internet ou rádio, para conhecer melhor as propostas e a gente aprofundar o tema”, afirmou.

O evento com Alckmin foi realizado na Casa Vila da Feira, clube português na Tijuca, zona norte do Rio, em um salão com 30 mesas e 120 cadeiras, mas praticamente só a imprensa compareceu. O deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), que abriu a cerimônia, 40 minutos atrasada, disse que os jornalistas eram os “convidados especiais” do evento. Ele também pediu para que grupo saísse dos fundos do salão, onde costuma ficar, para ocupar os lugares da frente, que estavam vazios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.