TSE forma maioria para manter liminar que liberou candidatura de Crivella no Rio

TSE forma maioria para manter liminar que liberou candidatura de Crivella no Rio

Quatro dos sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral votaram para negar recurso do Ministério Público contra decisão que suspendeu a inelegibilidade do atual prefeito da capital fluminense, condenado por abuso do poder político pelo Tribunal Regional Eleitoral

Paulo Roberto Netto

19 de novembro de 2020 | 21h03

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) formou maioria nesta quinta, 19, para manter uma liminar que permitiu a candidatura do atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), nas eleições municipais deste ano. Os ministros negaram recurso do Ministério Público Eleitoral apresentado contra a decisão que garantiu a elegibilidade do bispo licenciado.

Crivella foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) por suposto abuso de poder político por participar de um comício eleitoral do seu filho, Marcelo Hodge Crivella, que tentava se eleger deputado federal em 2018. O evento contou com a presença de funcionários da empresa municipal de limpeza do Rio, a Comlurb, que utilizou veículos municipais para transportar os participantes. Por unanimidade, o prefeito se tornou inelegível por oito anos.

Em outubro, porém, o ministro Mauro Campbell Marques concedeu liminar que suspendeu a inelegibilidade imposta a Crivella. No final do mês, o vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros recorreu dessa decisão afirmando que o prefeito do Rio orquestrou ‘esquema voltado à participação de funcionários e utilização de bens de empresa estatal em evento de campanha’.

O julgamento do recurso da Procuradoria está sendo conduzido pela plataforma virtual do TSE, no qual os ministros depositam seus votos. O prazo termina às 23h59 desta quinta, 19. Até o momento, quatro dos sete ministros já votaram para manter a elegibilidade de Crivella: Mauro Campbell, Luis Felipe Salomão, Alexandre de Moraes e Sérgio Banhos.

O prefeito Marcelo Crivela, em setembro Foto: Wilton Junior/Estadão

O ministro Edson Fachin abriu divergência, apontando que o colegiado deveria validar ou não a liminar antes de discutir o recurso do MP. Até o momento, ele é o voto único neste sentido.

Crivella busca a reeleição no Rio de Janeiro e é um dos candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro. Apesar disso, o atual prefeito enfrenta dificuldades para vencer a disputa, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quarta, 18. Segundo o instituto, o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) está 30 pontos percentuais à frente de Crivella na corrida pela Prefeitura.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.