Sérgio Cabral vinte vezes no banco dos réus

Sérgio Cabral vinte vezes no banco dos réus

Justiça Federal recebe as três mais recentes denúncias criminais da Procuradoria contra o ex-governador do Rio, que já está condenado a 87 anos de prisão

Luiz Vassallo e Constança Rezende

10 Janeiro 2018 | 18h46

Sérgio Cabral. Foto: Fabio Motta/Estadão

A juíza substituta da 7ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro Caroline Vieira Figueiredo abriu, nesta quarta-feira, 10, mais três ações penais contra o ex-governador Sérgio Cabral. Condenado a 87 anos de prisão, o peemedebista agora passa a ser réu pela vigésima vez na Operação Lava Jato.

+ Doleiros da Lava Jato que operavam contas de Cabral no Uruguai são extraditados para o Brasil

+ Lava Jato faz duas novas denúncias contra Cabral e comensais da ‘Farra dos Guardanapos’

Documento

Documento

Documento

Em uma das denúncias, oferecida na última quinta-feira, 4, o peemedebista foi acusado de cobrar propinas em obras realizadas pela construtora Oriente.

+ Lava Jato acusa Cabral pela 17.ª vez

Também foram denunciados o diretor da construtora, Geraldo André de Miranda Santos, o coordenador de licitações Alex Sardinha da Veiga, o ex-secretário de obras, Hudson Braga e o suposto operador do esquema de corrupção Wagner Jordão.

+ Justiça condena Cabral a 15 anos e decreta outra vez prisão de Adriana

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), ao menos entre os anos de 2010 e 2014, por seis vezes, Sérgio Cabral, através de Braga e Jordão, “de forma livre e consciente, em unidade de desígnios, solicitou, aceitou promessa e recebeu vantagem indevida (calculada, como regra geral, em 1% do valor faturado relativo às contratações realizadas) de Alex Sardinha da Veiga e Geraldo Miranda”.

+ “Não tinha motivo nenhum para desconfiar de Sérgio”, diz ex-mulher de Cabral

Em outra ação penal, Sérgio Cabral passa a responder criminalmente, por supostas propinas dos consórcios que administram o serviço de Poupa Tempo do Rio. Segundo o MPF, o ex-secretário Carlos Bezerra ‘atuava recebendo e controlando os valores de propina advindos do empresário George Sadala, dono da empresa Gelpar Empreendimentos e Participações LTDA, uma das maiores contratadas pelo Estado do Rio de Janeiro no ramo dos serviços de “POUPA TEMPO”, tendo recebido do governo estadual, apenas entre os anos de 2009 e 2013, o montante de R$ 32.412.276,06’.

+ Cabral pede desculpas à população por uso de caixa 2

Já a outra denúncia é relativa a supostas propinas de R$ 1,5 milhão solicitadas pelo ex-chefe da Casa Civil, Régis Fichtner Pereira ‘angariada e distribuída pela organização criminosa chefiada por Sérgio Cabral, mediante orientação e anuência deste e entrega feita por Luiz Carlos Bezerra’.

COM A PALAVRA, CABRAL

A reportagem entrou em contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestação.

Mais conteúdo sobre:

Sérgio Cabraloperação Lava Jato