Raquel diz ao STF que Gleisi se ‘locupletou de esquemas na Petrobrás’

Raquel diz ao STF que Gleisi se ‘locupletou de esquemas na Petrobrás’

Procuradora acusa em memorial ao Supremo a presidente nacional do PT de se valer 'dolosamente' de ilegalidades na estatal petrolífera; nesta terça, 19, a senadora será julgada pela 2.ª Turma do Supremo

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/BRASÍLIA e Luiz Vassallo/SÃO PAULO

19 Junho 2018 | 09h00

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (à esq.), e a mulher, a senadora Gleisi Hoffmann. Foto:Dida Sampaio/Estadão

“A senadora, expoente de seu partido político, locupletou-se dolosamente de todo um esquema de ilegalidades praticados na Petrobrás e, também por isso, deixou de cumprir com seu dever de fiscalização”, afirmou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em memorial ao Supremo Tribunal Federal em que reforça pedido para que a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, seja condenada na Lava Jato. Além da senadora, Raquel pede a condenação do ex-ministro Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler. Eles foram denunciados por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. O documento foi encaminhado ao Supremo nesta segunda-feira, 18.

+ Decano libera para julgamento ação criminal contra Gleisi
+ PF afirma que Gleisi recebeu R$ 885 mil em propina na Lava Jato

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) vai iniciar nesta terça-feira, 19, o julgamento da petista. O caso de Gleisi marcará o segundo julgamento de uma ação penal da Lava Jato na Segunda Turma do STF. O colegiado é composto pelos ministros Edson Fachin (relator da Lava Jato), Celso de Mello (revisor da Lava Jato na turma), Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Dias Toffoli. No mês passado, a 2.ª Turma condenou por unanimidade o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), que se tornou o primeiro parlamentar condenado pela Corte no âmbito da Lava Jato.

+ Geraldo, o entregador de dinheiro que assombra Gleisi e Ciro Nogueira
+ Geraldo, entregador de dinheiro, tem foto na portaria de marqueteiro de Gleisi

A denúncia narra suposto desvio de R$ 1 milhão oriundos de contratos com prestadoras de serviços da Petrobrás, que foram usados na campanha de Gleisi ao Senado, em 2010. Segundo investigações do Ministério Público Federal (MPF), corroboradas por depoimentos dos colaboradores Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, quatro repasses no valor de R$ 250 mil foram feitos em 2010 destinados à campanha da parlamentar.

+ Marqueteiro revela encontro com assessor de Gleisi e delator por ‘muito dinheiro’
+ PF seguiu rastro da propina da Odebrecht até marqueteiro de Gleisi

A pedido de Paulo Bernardo, as entregas teriam sido operacionalizadas pelo advogado Antônio Pieruccini, ligado a Youssef, que viajou de carro de São Paulo a Curitiba, onde se encontrou com Ernesto Kugler e entregou o dinheiro. Uma agenda apreendida pela Polícia Federal, pertencente a Paulo Roberto Costa, revelou o registro contábil da vantagem indevida com a indicação 1,0 PB. “A anotação ‘1,0 PB’ significa o repasse de R$ 1 milhão a Paulo Bernardo, marido de Gleisi Hoffman”, afirmou em depoimento o doleiro Alberto Youssef.

No documento enviado ao STF, Raquel Dodge afirma que Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo cometeram ato de ofício para fins de corrupção. No caso de Bernardo, o crime consistiu em conceder permanentemente apoio político para viabilizar a indicação e a manutenção de Paulo Roberto Costa na Diretoria de Abastecimento da Petrobras.

Já em relação à senadora, o ato de ofício foi na modalidade omissiva, pois ela tinha o dever de fiscalizar os atos praticados por órgãos da administração pública.