Procurador do TCU pede a Barroso que compartilhe inquérito do TSE contra Bolsonaro por ataque a urnas

Procurador do TCU pede a Barroso que compartilhe inquérito do TSE contra Bolsonaro por ataque a urnas

Caso seja autorizado, envio do material tem potencial de gerar nova frente de investigação sobre uso de recursos públicos para financiar manifestações contra o sistema eletrônico de votação

Rayssa Motta, Pepita Ortega/São Paulo e Weslley Galzo/Brasília

06 de agosto de 2021 | 16h03

O Ministério Público que atua junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que compartilhe uma cópia do inquérito administrativo aberto para investigar o presidente Jair Bolsonaro pelos ataques recentes às urnas eletrônicas e pelas ameaças às eleições 2022.

O objetivo do compartilhamento, segundo o ofício enviado ao TSE, é apurar se recursos públicos federais foram usados em eventuais irregularidades.

“A se confirmar as irregularidades em apuração e, em caso de utilização de recursos públicos federais, os fatos em investigação no supracitado inquérito podem ensejar consequências na esfera do Tribunal de Contas da União”, diz um trecho do documento.

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Gabriela Biló/Estadão

O requerimento é assinado pelo subprocurador Lucas Rocha Furtado e foi encaminhado na quinta-feira, 5, ao presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, que virou alvo de Bolsonaro nesta semana ao defender a segurança do sistema eletrônico de votação. O presidente intensificou a ofensiva contra o ministro após o tribunal eleitoral aprovar por unanimidade a abertura da investigação. Bolsonaro seguiu o tom bélico ao ser incluído em uma segunda frente de apuração, no Supremo Tribunal Federal, vinculada ao inquérito das fake news.

O Estadão apurou que Barroso ainda não encaminhou o material ao subprocurador.

No mesmo documento, Furtado comunicou que trabalha em uma representação junto ao Congresso para orientar sobre o impacto econômico nos cofres públicos de uma eventual mudança do voto eletrônico para o impresso. Embora a comissão especial formada na Câmara dos Deputados para analisar a chamada ‘PEC do Voto Impresso’ tenha rejeitado a proposta, o texto ainda pode ser levado para votação no plenário de Casa Legislativa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.