PF não encontrou celular de Roberto Jefferson, que disse ter dado aparelho para ‘transeunte’ jogar no rio

PF não encontrou celular de Roberto Jefferson, que disse ter dado aparelho para ‘transeunte’ jogar no rio

Equipe da Polícia Federal procurou, mas não encontrou telefone durante batida na casa do ex-deputado no último dia 13, quando ele foi preso no chamado 'inquérito das milícias digitais'

Rayssa Motta

30 de agosto de 2021 | 19h59

Quando bateu na casa do ex-deputado federal e presidente do PTB, Roberto Jefferson, no último dia 13, a Polícia Federal não conseguiu apreender seu celular. O político saiu preso, como determinou o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mas o aparelho ficou para trás durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão.

Em relatório enviado ao STF, o delegado Rafael da Rocha Morégula disse que, ao ser questionado sobre o telefone, Roberto Jefferson informou que deu o aparelho a um ‘transeunte para que fosse jogado no Rio Paraibuna’. A justificativa dada pelo ex-deputado, ainda de acordo com o documento produzido pela PF, é que ele nunca teria recuperado outros celulares apreendidos. O relatório diz ainda que, em nenhum momento, ele foi visto ‘portando ou utilizando celular pessoal’.

“Durante todo o período em que lá estivemos, as buscas e o procedimento de prisão foram acompanhados, também, por familiares, assessores do alvo e empregados do imóvel que já se encontravam no local quando da chegada da equipe, ocasião em que Roberto Jefferson eventualmente pôde, por intermédio de terceiros, ter enviado mensagens ou áudios através de redes sociais”, escreveu o delegado.

O presidente nacional do PTB e ex-deputado Roberto Jefferson. Foto: Wilton Júnior/Estadão

Antes da batida no imóvel em Comendador Levy Gasparian, no interior do Rio, onde o ex-deputado foi preso, os investigadores estiveram em Petrópolis, na região serrana fluminense, casa da ex-mulher de Roberto Jefferson. Enquanto aguardava os policiais federais, o político chegou a gravar um áudio de 3 minutos e 40 segundos, enviado a correligionários, em que voltou a atacar ministros do Supremo.

Ao assinar o mandado de prisão, Jefferson escreveu: “Canalhice do marido da dona Vivi”, em referência à advogada Viviane Barci de Moraes, mulher do ministro Alexandre de Moraes.

“Cumpre ainda ressaltar que Roberto Jefferson, ao receber e assinar o mandado, após em seu canto direito os seguintes dizeres:“Canalhice do Maridão de dona Vivi”, tendo algum dos presentes no local tirado foto do documento sem o conhecimento da equipe policial. Outrossim, tendo em vista a não localização do aparelho de telefonia celular do alvo, foram as buscas encerradas e a equipe policial retornou àSR/PF/RJ, para o cumprimento das formalidades relativas à prisão”, concluiu o delegado.

O presidente nacional do PTB continua preso no Complexo de Bangu, na zona oeste do Rio. Ele foi denunciado na semana passada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por incitação ao crime, homofobia e calúnia contra o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Tudo o que sabemos sobre:

Roberto Jefferson

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.