PF filmou secretário parlamentar pegando propina em aeroporto e levando para a Câmara

PF filmou secretário parlamentar pegando propina em aeroporto e levando para a Câmara

Israel Nunes de Lima foi flagrado em inquérito policial da Operação Pés de Barro, que apura pagamentos de R$ 1,2 milhão do superfaturamento de adutoras ao deputado Wilson Santiago (PTB/PB)

Pedro Prata, Pepita Ortega e Fausto Macedo

13 de janeiro de 2020 | 18h24

A Polícia Federal filmou o secretário parlamentar Israel Nunes de Lima, do gabinete do deputado afastado Wilson Santiago (PTB/PB), recebendo propina de R$ 50 mil no aeroporto de Brasília e levando o dinheiro para o Congresso. O vídeo faz parte das investigações da Operação ‘Pés de Barro’, que apura o pagamento de mais de R$ 1,2 milhão em propinas resultantes do superfaturamento das obras da Adutora Capivara, no sertão Paraibano.

VEJA O SECRETÁRIO PEGAR A PROPINA E LEVAR PARA A CÂMARA

O dinheiro foi entregue em 7 de novembro de 2019. O acerto, no entanto, teria ocorrido entre George e Evani Ramalho na noite anterior no estacionamento de uma rede de supermercados.

Evani Ramalho é secretária parlamentar de Wilson Santiago. Além de arrecadadora e transportadora da propina, é apontada pela PF como responsável pela gerência operacional e contábil do esquema.

George Ramalho é empresário da Construção, Empreendimentos e Comércio, a Coenco, responsável pela construção do sistema adutor. Ele fechou delação premiada com a PF.

OUÇA GEORGE RAMALHO COMBINAR A PROPINA COM EVANI:

[…]

EVANI: Falei com ele. olha aqui ó (inaudível) eu fui lá (inaudível) recebi os pendentes (inaudível), nem converso esses assuntos com ele. Meu assunto é recebi, entreguei…

GEORGE: (inaudível)

EVANI: ele está moendo, ele quer cem mil sexta, eu estou convencendo a pagar amanhã à tarde. Só que os cem mil, para você entregar (inaudível). Agora você vai se comprometer, minha palavra que está em jogo. Se você não cumprir, na próxima, quem vai mandar segurar sou eu.

GEORGE: Entendi, e a…

EVANI: (inaudível) se você quiser, mas (inaudível).

GEORGE: Faz pouco tempo.

EVANI: (inaudível) você (inaudível).

GEORGE: é (inaudível) como a gente fica? (inaudível)

EVANI: Então dê um jeito de entregar amanhã.

GEORGE: Dou um jeito de entregar amanhã.

[…]

 

George Ramalho pegou um avião de João Pessoa para Brasília. Na mochila, os R$ 50 mil em dinheiro vivo.

Foto: PF/Reprodução

Ele, então, entregou a mochila a Israel Nunes de Lima. Ele teve uma conversa rápida com George, antes de seguir com a propina.

OUÇA ISRAEL E GEORGE CONVERSANDO:

ISRAEL: E aí, Doutor George, como é que tá?

GEORGE: o comandante, como é que tá, tranquilo?

ISRAEL: joia

GEORGE: e aí, e aí, como é que foi a viagem, foi boa?

ISRAEL: boa!

GEORGE: Graças a Deus.

ISRAEL: Veio no mesmo voo, não foi?

GEORGE: rapaz, eu acho que eu lhe vi lá. “Rapaz, eu acho que conheço esse cara de algum lugar”!

ISRAEL: foi, eu acho que vi você passando.

GEORGE: eu acho que eu vi também, tudo tranquilo por aí?

ISRAEL: tranquilo

GEORGE: ó, tu leva, tá? E, pode levar a mochila com tudo.

ISRAEL: depois eu devolvo a você

GEORGE: não, pode fica, levar.

ISRAEL: vou voltar quarta ou quinta-feira

GEORGE: quarta?

ISRAEL: quarta ou quinta

GEORGE: beleza

ISRAEL: ok?

GEORGE: fechado

ISRAEL: vai ficar por aqui, quer alguma carona alguma coisa?

GEORGE: não, eu vou voltar já

ISRAEL: ah, vai voltar?

GEORGE: vou, vou fazer outra viagem já, vou pra São Paulo com meus filhos

ISRAEL: é? O rapaz, então tá bom

GEORGE: só essa incumbência aí, se soubesse tinha deixado lá

ISRAEL: Era, mas o povo disse pra vir pra cá mesmo. Ei, pois vou lá, abração, visse?!

GEORGE: valeu, irmão. Prazer viu… Trabalho aí.

 

Feitas as despedidas, Israel saiu do aeroporto no carro Hyundai IX35, placa PBP 2031, de propriedade da locatora de veículos que que possui contrato com a Câmara dos Deputados.

O veículo seguiu até o anexo IV da Câmara dos Deputados, onde se encontra o gabinete do deputado federal Wilson Santiago.

Foto: PF/Reprodução

COM A PALAVRA, O ADVOGADO LUIS HENRIQUE MACHADO

“Trata-se de um delator que ganhou notoriedade na Paraíba por delatar terceiros para não ser preso. Em nenhum momento o delator apresentou provas de que o Deputado Wilson Santiago teria recebido dinheiro ilícito. Tampouco a Polícia Federal apresentou provas que incriminasse o deputado. A ação controlada, as intercepções telefônicas, telemáticas e ambientais não dizem nada a respeito do deputado, somente ilações e conjecturas. Em momento processual oportuno, a defesa apresentará também as suas provas restabelecendo a verdade real dos fatos”.

Luis Henrique Machado
Advogado do Dep. Wilson Santiago

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: