PF abre desdobramento da Lava Jato no Rio Grande do Sul

PF abre desdobramento da Lava Jato no Rio Grande do Sul

Operação Étimo investiga lavagem de capitais, evasão de divisas e crimes contra o sistema financeiro nacional

Julia Affonso e Fausto Macedo

16 Agosto 2017 | 07h16

Polícia Federal. Foto: Fabio Motta/Estadão

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira, 16, a Operação Étimo, para combater crimes de lavagem de capitais, evasão de divisas, crimes contra o sistema financeiro nacional e corrupção, em desdobramento da Operação Lava Jato no Rio Grande do Sul.

Mais de 50 policiais federais cumprem mandados de busca e apreensão em Porto Alegre (2), Canoas (1), Glorinha (1) e em Brasília (1). Também foram autorizados pela Justiça Federal o sequestro de bens e o afastamento de sigilo dos investigados.

OUTRAS DO BLOG: + Governador Robinson embolsava R$ 100 mil mensais, diz delatora

Ação controlada da PF flagrou assessor de Robinson pagando delatora

Bretas toma passaporte e quebra sigilo fiscal e bancário de Bethlem

Com dados obtidos a partir de compartilhamento das informações da 26ª Fase da Operação Lava Jato (Operação Xepa – deflagrada em março de 2016 pela PF no Paraná), foi possível aprofundar as investigações sobre esquema envolvendo a lavagem de dinheiro por meio de entidade associativa ligada a grandes empreiteiras.

A entidade recebia das empreiteiras um percentual do valor de obras públicas realizadas no Estado. Contratos de assessoria entre a entidade associativa e empresas de fachada eram utilizados para dar aparência de legalidade às operações financeiras de retirada de valores dessa entidade. A movimentação ilegal desses recursos, no Brasil e no exterior, sua origem e sua destinação, são objeto de investigação pela Operação Étimo.

O nome da Operação é uma referência à origem das informações que possibilitaram o aprofundamento das investigações. Étimo é um termo que exprime a ideia de origem, que serve de base para uma palavra, a partir da qual se formam outras.

26ª fase. A Xepa abriu novas linhas de investigação do pagamento de propinas pelo Grupo Odebrecht em outras obras públicas, que extrapolavam a Petrobrás – foco inicial das investigações.

Na época foram descobertas planilhas de controle dos pagamentos de propina da Odebrecht. Os investigadores identificaram “pagamentos sistemáticos” com entregas de valores em moeda no Brasil e transferências no exterior.

 

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoPolícia Federal