Novo advogado de Queiroz é o mesmo de Adriano da Nóbrega, miliciano morto em fevereiro

Novo advogado de Queiroz é o mesmo de Adriano da Nóbrega, miliciano morto em fevereiro

Fabrício Queiroz estava sem advogado desde dezembro do ano passado, quando Paulo Klein deixou sua defesa; neste mês o ex-assessor de Flávio Bolsonaro contratou Paulo Emílio Catta Preta; eles conversam pessoalmente pela primeira vez no início desta tarde

Caio Sartori/RIO

18 de junho de 2020 | 13h36

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, deixa o Instituto Médico Legal de São Paulo. Foto: EFE/Sebastião Moreira

Preso hoje em Atibaia, São Paulo, Fabrício Queiroz estava sem advogado desde dezembro do ano passado, quando Paulo Klein deixou sua defesa. Neste mês, contudo, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro contratou Paulo Emílio Catta Preta, experiente defensor de Brasília que atuou recentemente para Adriano Magalhães da Nóbrega, miliciano do Rio morto em fevereiro. ‘Capitão Adriano’, como era conhecido, também tem ligação com o esquema de rachadinha no gabinete do filho de Jair Bolsonaro.

Catta Preta está no Rio, na cadeia de Benfica, onde Queiroz ficará preso. Eles conversam pessoalmente, pela primeira vez, no início desta tarde. “A família me procurou no início do mês, estava preocupada por ele estar sem advogado”, explicou o advogado ao Estadão, pouco antes de Queiroz chegar ao local.

O defensor ainda não estudou a fundo os autos do caso, que desde 2018 é tocado pelo Ministério Público do Rio. Após deixar o presídio, Catta Preta disse que Queiroz teme pela vida. Segundo o advogado, a prioridade é tirá-lo o mais rápido possível da prisão, considerando o estado de saúde dele. O defensor também afirmou que deve atuar para Márcia Oliveira de Aguiar, a mulher de Queiroz que está foragida, mas ela ainda não o procurou.

Queiroz ainda não prestou depoimento – só o fará quando o advogado tiver acesso à decisão judicial que o levou à prisão. Catta Preta disse também que não sabe dizer por que ele estava na casa do advogado Frederick Wassef.

“Ele disse que ia a São Paulo com alguma regularidade para cuidar da saúde. Então, desde que ele fez a cirurgia do câncer, há mais de um ano, e, recentemente, uma de próstata, há dois meses, tem ido sempre que necessário”, limitou-se a comentar com os jornalistas.

Miliciano morto tinha relação com Queiroz e Flávio

Adriano foi morto em fevereiro deste ano pela polícia da Bahia, no município de Esplanada. Era apontado por investigadores do Rio como chefe do Escritório do Crime, grupo de pistoleiros da milícia na zona oeste da capital fluminense. Quando ainda era policial militar – chegou a ser capitão do BOPE -, Adriano trabalhou com Queiroz no batalhão de Jacarepaguá, também na zona oeste. Ele respondem juntos a um homicídio registrado como “auto de resistência”.

No caso da rachadinha, Adriano está ligado a Flávio por meio da mãe, Raimunda Veras Magalhães, e a ex-mulher, Danielle da Nóbrega. Em mensagens de WhatsApp obtidas no âmbito da investigação sobre a milícia, o Ministério Público do Rio constatou que Adriano se beneficiava do esquema na Alerj. Ele afirmou à ex-esposa que “também contava” com o que vinha do dinheiro da Assembleia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: