MP do Rio estima que Capitão Adriano transferiu mais de R$ 400 mil para Queiroz

MP do Rio estima que Capitão Adriano transferiu mais de R$ 400 mil para Queiroz

Na decisão que mandou prender o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, destacou transferências de miliciano que foi morto pela PM da Bahia em fevereiro para contas do suposto operador financeiro do filho mais velho do presidente

Pepita Ortega, Rayssa Motta, Caio Sartori, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

19 de junho de 2020 | 10h16

O Capitão Adriano e o ex-PM Fabrício Queiroz. Fotos: Polícia Civil e Reprodução

O Ministério Público do Rio de Janeiro estima que o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, possa ter transferido mais de R$ 400 mil para as contas de Fabrício Queiroz, ex-PM apontado como operador financeiro de organização criminosa instalada no gabinete do senador Flávio Bolsonaro quando deputado estadual no Rio.

A indicação consta na decisão do juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, que mandou prender Queiroz e sua mulher Márcia Oliveira de Aguiar. O ex-assessor do filho ’01’ do presidente Jair Bolsonaro foi encontrado na manhã desta quinta, 18, em uma casa em Atibaia de propriedade do advogado Frederick Wassef, advogado de Flávio. Márcia é considerada como foragida pelo MP-RJ.

Documento

Adriano foi morto em fevereiro deste ano pela polícia da Bahia, no município de Esplanada. Era apontado por investigadores do Rio como chefe do Escritório do Crime, grupo de pistoleiros da milícia na zona oeste da capital fluminense. Quando ainda era policial militar – chegou a ser capitão do BOPE -, Adriano trabalhou com Queiroz no batalhão de Jacarepaguá, também na zona oeste. Ele respondem juntos a um homicídio registrado como “auto de resistência”.

A ex-mulher do miliciano Danielle Mendonça da Nóbrega e sua mãe, Raimunda Veras Magalhães, eram empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio. Juntas as duas receberam R$ 1 milhão em salários e devolveram pelo menos R$ 202 mil em transferências identificadas para conta de Queiroz e outros R$ 200 mil ainda não identificados.

Segundo dados de geolocalização obtidos pelos investigadores a partir do rastreio do celular Raimunda, ela jamais teria aparecido nas cercanias da Alerj no período em que deveria exercer a função pública.

Na representação enviada à Justiça para deflagração da Operação Anjo – que mirou ainda ex-assessores da Alerj, um servidor que foi afastado e um advogado – o Ministério Público do Rio de Janeiro indicou que há registros nos dados bancários de Queiroz que indicam que uma pizzaria administrada por Raimunda Veras Magalhães, mãe de Adriano, e uma outra pizzaria administrada pelo próprio miliciano, transferiram R$ 69,250 mil para o suposto operador financeiro de Flávio Bolsonaro.

“Não se pode perder de vista que no período de janeiro de 2016 a janeiro de 2017 foram efetuados 17 depósitos em espécie na conta corrente de Fabrício Queiroz, totalizando R$ 91.796, na agência Rio Comprido do Banco Itaú, localizada na mesma rua dos restaurantes administrados por Raimunda Veras Magalhães”, registra ainda a decisão de Nicolau.

Orientações e ‘influência’ na milícia

O suposto repasse de R$ 400 mil de Adriano para Queiroz foi apontado como um de dois aspectos da relação de Queiroz com grupos paramilitares, ligado à parte econômica, em razão de um suposto enriquecimento associado à milícia carioca. O outro aspecto destacado pelos investigadores é político e foi levantado a partir de suposta ‘influência’ exercida pelo ex-assessor entre os grupos de milicianos.

Em mensagens trocadas com a mulher, Márcia Aguiar, o ex-assessor parlamentar se compromete a ‘interceder pessoalmente’ junto a milicianos em favor de um homem que pede sua ajuda após receber ameaças de paramilitares no Itanhangá, também na zona oeste carioca.

Os promotores também apontaram que em dezembro de 2019, Queiroz sua mulher e o advogado Luiz Gustavo Botto Maia, também ligado ao filho mais velho do presidente teriam orientado a mãe do Capitão Adriano, a ficar ‘escondida’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: