Juiz prorroga por 5 dias prisão de suspeitos de hackear Moro

Juiz prorroga por 5 dias prisão de suspeitos de hackear Moro

Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, afirma ser necessário aprofundar investigações sobre invasões de celulares de autoridades e de fraudes bancárias

Breno Pires/BRASÍLIA e Luiz Vassallo/SÃO PAULO

26 de julho de 2019 | 20h17

O juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara de Brasília, decidiu prorrogar por mais cinco dias a prisão temporária dos quatro alvos da Operação Spoofing, sob suspeita de invadir celulares do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e outras autoridades dos três Poderes. O magistrado também determinou o bloqueio de saldos em criptomoedas dos investigados.

De acordo com o magistrado, Walter Delgatti Neto, o ‘Vermelho’, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Priscila de Oliveiras devem continuar presos para que sejam aprofundadas as investigações da Operação Spoofing, que mira ataques hacker a a mil pessoas, entre elas, autoridades dos três Poderes. Em depoimento, ‘Vermelho’ admitiu ter repassado diálogos da Lava Jato ao site The Intercept. 

A prorrogação foi solicitada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal devido à grande complexidade da investigação e à grande quantidade de dados apreendidos a serem analisados nos próximos dias.

Os investigadores ainda não conseguiram obter o conteúdo dos celulares de dois dos presos, Gustavo e Suelen, tampouco tiveram acesso às contas de bitcoin que ambos possuem, de forma que a liberdade os permitiria movimentar dinheiro.

Vallisney ressalta ser necessário continuar a apuração sobre crimes financeiros, como fraudes bancárias.

Segundo o magistrado, ‘sem a prorrogação de mais 5 dias das prisões, soltos os investigados poderão agir e combinar e praticar condutas, isoladamente e em conjunto, visando apagar provas em outros endereços, mudar senhas de contas virtuais, fazer contatos com outras pessoas eventualmente envolvidas, retirar valores de contas desconhecidas ou de algum modo prejudicar o inquérito policial’

O juiz ainda afirma, em decisão,  que a investigação ‘depende ainda de um trabalho técnico pericial e que demandará mais alguns dias para ser concluído, considerando-se que dos diversos aparelhos alguns ainda estão com os impeditivos das senhas e outros precisam ser vasculhados e periciados de forma abrangente’.

O juiz anota que, pelos interrogatórios dos alvos da Spoofing, ‘observa-se que os investigados deram diversas informações sobre os fatos em apuração, havendo ainda necessidade de continuidade das investigações’.

Vallisney afirma que ainda está pendente a avaliação do ‘completo cenário e a profundidade das invasões praticadas, mesmo porque a informação técnica atesta que cerca de 1000 pessoas ou números telefônicos teriam sido alvos dos ataques’.

E também de ‘localizar a origem da quantia de R$ 99 mil em espécie apreendidos com Gustavo Henrique e Suelen e se possuem (e qual grau de) ligação com a atividade de invasão diretamente realizada por Walter’

O juiz afirma que é necessário ‘descobrir mais sobre apreensão em poder de Danilo Marques de 60 chips lacrados para telefone celular pré-pago da TIM e sua destinação e utilidade nas investigações’.

LEIA A DECISÃO:

LEIA A REPRESENTAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL: 

 

 

 

 

Tendências: