Juiz manda bloquear bitcoins de suspeitos de hackear Moro e procuradores

Juiz manda bloquear bitcoins de suspeitos de hackear Moro e procuradores

Na mesma decisão, Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, também determinou a prorrogação, por mais cinco dias, dos quatro alvos da Operação Spoofing

Breno Pires/BRASÍLIA e Luiz Vassallo/SÃO PAULO

26 de julho de 2019 | 20h52

Ao prorrogar a prisão temporária dos quatro alvos da Operação Spoofing, o juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, também decretou o bloqueio de ativos dos quatro suspeitos em criptomoedas. O magistrado determinou que corretoras financeiras que operam neste mercado sejam oficiadas sobre a medida cautelar.

Vallisney acolhe pedido do Ministério Público Federal, que ressaltou que ainda não conseguiu obter o conteúdo dos celulares de dois dos presos, Gustavo e Suelen, tampouco tiveram acesso às contas de bitcoin que ambos possuem, de forma que a liberdade os permitiria movimentar dinheiro.

Segundo informações da Polícia Federal, Gustavo Henrique Elias Santos se recusou a informar sobre as corretoras de bitcoins que operam suas carteiras neste mercado. Em representação, a Polícia Federal também afirma que ele não conseguiu provar a origem lícita dos R$ 99 mil apreendidos em sua residência com Suelen, apesar de ter dito que as cédulas são fruto de seus investimentos.

“Oficiem-se, oportunamente, em complemento aos ofícios anteriormente expedidos às empresas de bitcoin. As informações devem ser prestadas diretamente à autoridade policial, conforme endereços eletrônicos fornecidos com a representação”, anotou.

De acordo com o magistrado, Walter Delgatti Neto, o ‘Vermelho’, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Priscila de Oliveiras devem continuar presos para que sejam aprofundadas as investigações da Operação Spoofing, que mira ataques hacker a mil pessoas, entre elas, autoridades dos três Poderes. Em depoimento, ‘Vermelho’ admitiu ter repassado diálogos da Lava Jato ao site The Intercept. 

A prorrogação foi solicitada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal devido à grande complexidade da investigação e à grande quantidade de dados apreendidos a serem analisados nos próximos dias.

LEIA A DECISÃO:

LEIA A REPRESENTAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL: 

 

Tendências: