João Santana e Mônica vão usar tornozeleira até 2019

João Santana e Mônica vão usar tornozeleira até 2019

Casal de marqueteiros das campanhas presidenciais de Lula e Dilma terá de usar o monitoramento e fazer prestação de serviços à comunidade por 22 horas mensais

Luiz Fernando Teixeira, especial para o Blog

06 de outubro de 2017 | 21h54

Gisele Pimenta/Frame Photo e Geraldo Bubniak/Agência O Globo

O casal de marqueteiros das campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010/2014) João Santana e Mônica Moura começou a usar tornozeleira eletrônica nesta sexta-feira, 6, após passarem 160 dias em regime fechado. Ambos foram condenados pelo juiz federal Sérgio Moro pelos crimes de lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

+ Moro impõe um ano e meio de regime fechado a Mônica Moura e João Santana

Após acordo de delação premiada, a pena de sete anos e seis meses em regime fechado inicialmente imposta ao casal foi substituída por um ano e seis meses em prisão domiciliar com uso do dispositivo.

Após o período, a pena começa a ser relaxada, com mais um ano e seis meses com recolhimento domiciliar noturno, finais de semana e feriados e com prestação de serviços à comunidade por 22 horas mensais. Por fim, por mais um ano, a pena segue nos mesmos termos, mas já sem o monitoramento.

“Considerando a instalação do equipamento de monitoramento eletrônico na presente data, há previsão de término do cumprimento da pena no presente regime em 1 (um) ano e 6 (seis) meses, ou seja, em 05/04/2019”, dispôs a juíza federal substituta Carolina Moura Lebbos, que assinou a sentença.

João Santana e Mônica cumprirão a pena em Camaçari, cidade na região metropolitana de Salvador, e devem chegar à Bahia neste sábado, 7.

Ambos pagarão ainda os custos processuais e uma multa, no valor de R$ 288,32, além de R$ 324,51 por mês relativos à manutenção da tornozeleira eletrônica.