Em meio à crise do coronavírus, Toffoli antecipa volta ao Brasil

Em meio à crise do coronavírus, Toffoli antecipa volta ao Brasil

Ministro estava no Marrocos, em missão oficial; viagem provocou mal estar entre ministros e servidores do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA e Luiz Vassallo/SÃO PAULO

16 de março de 2020 | 00h09

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli. Foto: Gabriela Biló / Estadão

Em razão da crise do coronavírus, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, antecipou sua volta ao Brasil – o ministro estava no Marrocos, em missão oficial. A viagem provocou mal estar entre ministros e servidores do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça.

O Ministério da Saúde fez uma terceira atualização neste domingo de sua plataforma de notificação de casos de coronavírus e informa que há no País 200 pacientes confirmados para a doença.

As Cortes, a exemplo de outro órgãos públicos, têm estabelecido medidas internas para evitar a aglomeração de pessoas em suas dependências, como a suspensão de eventos e de público em parte de suas sessões. No Superior Tribunal de Justiça, a tendência é de que as sessões presenciais sejam trocadas por virtuais, mas ainda não foi feita nenhuma mudança de planos por ora.

No Supremo e no CNJ, Toffoli editou atos normativos, também visando medidas de prevenção. Ministros discutem reservadamente se é o caso de cancelar as sessões presenciais, mas nada foi decidido.

“A epidemia do coronavírus exige das nossas instituições uma conscientização mais profunda em torno do valor constitucional da solidariedade. As mobilizações populares devem cobrar intervenções mais efetivas para evitar uma crise ainda mais grave na saúde pública”, afirmou o ministro Gilmar Mendes, em sua conta do Twitter.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.