Zé Dirceu se entrega à Lava Jato

Zé Dirceu se entrega à Lava Jato

Por volta das 14h, o petista estava no Instituto Médico-Legal (IML), em Brasília, para exames de praxe, antes de começar a cumprir a pena de 30 anos de reclusão na Lava Jato

Fausto Macedo e Julia Affonso

18 Maio 2018 | 14h19

José Dirceu. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

O ex-ministro José Dirceu se entregou à Operação Lava Jato, na tarde desta sexta-feira, 18. Por volta das 14h, o petista fez exames de praxe no Instituto Médico-Legal (IML), em Brasília.

Zé Dirceu chegou ao local escoltado por agentes Polícia Federa. De lá, o ex-ministro deve ser levado para o penitenciária da Papuda.

Ao decretar prisão de Dirceu, juíza alerta para ‘processos sem fim’

Lava Jato investiga 429 clientes do banco de Dario Messer

O petista vai começar a cumprir a pena de 30 anos, nove meses e dez dias por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertinência à organização criminosa por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás.

A denúncia acusou Dirceu de receber parte das propinas da empreiteira Engevix à Diretoria de Serviços da Petrobrás entre 2005 e 2014. O ex-ministro teria levado R$ 10,2 milhões.

Dirceu tinha até as 17h para se apresentar à Polícia Federal. A ordem foi tomada pela juíza Gabriela Hardt, substituta do juiz Sérgio Moro, na 13.ª Vara Federal, em Curitiba.

No início da tarde da quinta-feira, 17, o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) negou um recurso decisivo do petista e abriu caminho para Dirceu ser preso. Após a decisão da Corte de apelação da Lava Jato, a juíza mandou prender o ex-ministro.

Gabriela Hardt ordenou também a transferência de José Dirceu para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, onde estão outros presos da Lava Jato. No Paraná, estão presos outros petistas: o ex-presidente Lula, o ex-ministro Antonio Palocci, ambos na Polícia Federal, e o ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto e o ex-deputado federal André Vargas, no presídio estadual em Pinhais.

Zé Dirceu, fundador do PT, foi o ministro mais poderoso do primeiro governo Lula, mas acabou condenado no processo do Mensalão – 7 anos e onze meses de reclusão por lavagem de dinheiro.