Diálogos citam entregas de R$ 1,5 mi a ex-assessor do governo Alckmin

Diálogos citam entregas de R$ 1,5 mi a ex-assessor do governo Alckmin

Nome, endereço e celular de Sebastião Eduardo Alves de Castro, ex-assessor da Secretaria de Planejamento do Estado, são mencionados em conversas entre funcionários da Transnacional, empresa apontada por doleiro como responsável por repasses a emissários de Marcos Monteiro, que chefiou a pasta e é investigado por supostamente receber caixa dois da Odebrecht para a campanha do tucano em 2014

Luiz Vassallo, Fabio Leite e Fabio Serapião

13 Setembro 2018 | 13h43

FOTO JUAN GUERRA/AE

Diálogos obtidos pela Polícia Federal entre funcionários de uma transportadora de valores usada pela Odebrecht citam supostas entregas de R$ 1,5 milhão em dinheiro vivo na casa de um ex-assessor do governo Geraldo Alckmin (PSDB) durante as eleições de 2014. As conversas mantidas por Skype revelam o nome, o endereço e o telefone do advogado Sebastião Eduardo Alves de Castro, que foi funcionário do ex-secretário de Planejamento e tesoureiro da campanha do tucano, Marcos Monteiro.

Alckmin usou cunhado para pegar R$ 10,3 mi do setor de propinas da Odebrecht, dizem delatores

Foto: Reprodução de conversa entre funcionários da Transnacional

As mensagens relacionadas a Alves de Castro contêm os mesmos valores e senhas vinculados aos supostos repasses de caixa dois para a campanha de Alckmin nas planilhas da Odebrecht.

Segundo o ex-presidente de Infraestrutura da empreiteira, Benedicto Junior, o ‘BJ’, o destinatário de recursos para a reeleição do tucano a governador em 2014 seria Marcos Monteiro, cujo codinome usado pelos delatores da Odebrecht era ‘M&M’.

Ao Estado, Alves de Castro disse ser amigo de Monteiro ‘há 500 anos’, mas negou ter recebido qualquer dinheiro em nome do ex-secretário e tesoureiro e atual presidente da Investe SP, agência de fomento do Estado, no governo Márcio França (PSB).

Alckmin depõe na Promotoria sobre R$ 10,3 mi da Odebrecht

“Estou absolutamente assustado e preocupado”, afirmou o advogado, que trabalhou diretamente com Monteiro desde 2011 e foi membro do conselho fiscal da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) até agosto deste ano.

Foto: Reprodução de trechos da ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual em que constam supostas entregas mediante senhas ‘bolero e cimento’

Alckmin e Monteiro são alvos de ação civil pública de improbidade administrativa movida na semana passada pelo Ministério Público de São Paulo, que atribui a ambos enriquecimento ilícito pelo suposto recebimento de R$ 7,8 milhões da Odebrecht via caixa dois de campanha.

Em depoimento ao promotor Ricardo Manuel Castro, o doleiro Álvaro Novis, que teria operacionalizado pagamentos da Odebrecht, confirmou ter executado repasses, usando para isso os serviços da transportadora de valores Transnacional.

Conhecido pelas alcunhas ‘Paulistinha’ e ‘Carioquinha’, Novis teria viabilizado a maior parte dos repasses a políticos em São Paulo e no Rio. Foi a partir da investigação sobre remessas que a Odebrecht supostamente destinou a políticos do MDB, que a PF teve acesso a diálogos de funcionários da Transnacional sobre pagamentos agendados pelo doleiro a pedido da empreiteira. Este inquérito cita o presidente Michel Temer.

Em diálogo resgatado pela PF, os encarregados pelas entregas de dinheiro da Transnacional citam, na mesma data ou data próxima que constam na investigação sobre o suposto caixa dois da campanha do tucano, repasses nos mesmos valores e também com o uso das mesmas senhas a um endereço na zona sul de São Paulo.

Segundo as conversas pelo aplicativo Skype, na manhã de 29 de agosto de 2014, um funcionário da empresa pediu a um colega. “Manda pra mim o que temos agendado, por favor”. O transportador responde com três endereços. Um deles, referente à entrega de R$ 500 mil, fica na Rua Manguatá, no bairro do Brooklin Paulista, senha ‘Bolero’. “Que deve chegar às mãos de ‘Eduardo’.”

Foto: Reprodução de conversa entre funcionários da Transnacional

Na tarde de 16 de setembro daquele ano, o agente da Trasnacional volta a perguntar sobre as entregas do dia seguinte ao funcionário. Novamente, o endereço é citado. “rua manguata, [número preservado pela reportagem] brooklin, senhor Eduardo castro senha é ‘cimento’ entregar 1.000.000,00”.

Nesta casa da rua Manguatá mora Sebastião Eduardo Alves de Castro, o ex-assessor de Marcos Monteiro na Secretaria de Planejamento.

Em entrevista à reportagem do Estadão, Alves de Castro nega enfaticamente ter recebido o dinheiro.

ESTADÃO: Por que seu endereço é citado em diálogos entre entregadores de dinheiro como destinatário de repasses em 2014?

SEBASTIÃO EDUARDO ALVES DE CASTRO: Não tenho nada disso, pelo amor de Deus. Nessa altura do campeonato, não é possível. Estou, de fato, preocupado. Eu não tenho porque estar nesse grau de ou nesse tamanho, nesse envolvimento. Não tenho ideia do que possa ser isso. Não me preocupa nesse sentido, me preocupa o fato de que nunca tive meu nome em coisa alguma, e muito menos nessa dimensão que você está me dando.

ESTADÃO: Mas por que eles citariam seu endereço?

CASTRO: Eu não passo sequer, você imagina uma conversa neste patamar que você se refere, algo que corre no STF, eu posso ter sido… citado… não tenho nenhum… bom, enfim, sei lá. Não dá nem para te dizer como isso possa aparecer. Não sei nem como te dizer sobre isso.

ESTADÃO: O endereço citado é sua casa e este já era seu celular à época?

CASTRO: Tenho esse número desde que trabalhei na Telesp celular.

ESTADÃO: E o endereço ao qual os transportadores se referem é sua casa?

CASTRO: Esse, de fato, é o endereço da minha casa e esse é meu número de telefone. Vou confessar. Não tenho a menor ideia do que isso se trate. Eu tenho que rir, porque como eu vou aparecer nessa conversa?

ESTADÃO: Qual é sua relação com Marcos Monteiro?

CASTRO: É meu amigo. É o cara com quem trabalhei, uma pessoa que conheço há 500 anos, mas não tenho esse tipo de envolvimento. Não sei o que tem a ver uma coisa com a outra, entendeu?

ESTADÃO: Ele nunca pediu ao sr para receber algo em nome dele?

CASTRO: Não tive nenhuma relação nesse nível. Eu não tenho, sei lá, esse patamar, esse tamanho, essa dimensão de participação em coisas dessa ordem. Estou tomando um susto aqui de você me dizer que surge em algum momento.

ESTADÃO: O sr perguntaria a Monteiro sobre o que significa sua casa e seu número de celular estarem citados em uma investigação sobre caixa dois em que ele é acusado de pedir o montante à Odebrecht?

CASTRO: Eu acho que vou ter. Eu vou ter que conversar, estou absolutamente assustado.

ESTADÃO: O sr ainda é agente público?

CASTRO: Ele (Marcos Monteiro) saiu, foi para outra função, eu não fui, não acompanhei, e continuei no meu cargo, no meu trabalho, e pronto. De lá saí, e pronto. Hoje estou desempregado.

ESTADÃO: Marcos Monteiro, então, nunca pediu ao sr para receber qualquer tipo de valor nessa época?

CASTRO: Não tenho noção de como isso foi parar, desconheço, nunca recebi esse tipo de valor, nessa dimensão, nunca passou isso na minha mão na vida.

COM A PALAVRA, MARCOS MONTEIRO

A defesa informou que não irá se manifestar.

COM A PALAVRA, GERALDO ALCKMIN

A reportagem mistura documentos que não têm relação entre si para fazer ilações de maneira irresponsável. Geraldo Alckmin nunca recebeu ou autorizou que recebessem em seu nome doações ilegais. Suas campanhas sempre seguiram estritamente o que manda a lei. Ciente da lisura de seus atos, o ex-governador tem prestado esclarecimentos sempre que solicitado.

COM A PALAVRA, ODEBRECHT

“A Odebrecht continua colaborando com a Justiça e reafirma o seu compromisso de atuar com ética, integridade e transparência.”

Mais conteúdo sobre:

Geraldo AlckminOdebrecht