Desembargador revoga última prisão de Eduardo Cunha, que responderá aos processos em liberdade

Desembargador revoga última prisão de Eduardo Cunha, que responderá aos processos em liberdade

Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, derrubou última cautelar contra o ex-presidente da Câmara, proferida em 2017 na Operação Sepsis

Paulo Roberto Netto

06 de maio de 2021 | 20h29

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), revogou nesta quinta, 6, a última prisão preventiva decretada contra o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ). A cautelar havia sido decretada em 2017 na Operação Sepsis e era o único empecilho que impedia o ex-parlamentar de responder aos processos em liberdade.

Documento

No último dia 28, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o Tribunal da Lava Jato, revogou a prisão decretada contra Cunha na operação. O ex-presidente da Câmara cumpria o regime em casa desde o ano passado, em razão da pandemia.

O desembargador sustentou que, passado mais de um ano da prisão domiciliar, não vislumbrou necessidade da manutenção da prisão preventiva de Cunha no caso. “Notadamente, pelo tempo em que a medida constritiva foi determinada, em razão de não se ter notícia do descumprimento das obrigações impostas, e também, pela demora em se marcar o julgamento da apelação já interposta em favor do requerente”, disse.

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ). Foto: Dida Sampaio/Estadão

Os advogados Pedro Ivo Velloso, Ticiano Figueiredo e Délio Lins e Silva, responsáveis pela defesa de Eduardo Cunha, celebraram a decisão: “Fez-se Justiça”.

Cunha foi alvo da Operação Sepsis, desdobramento da Lava Jato que apurou desvios do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS), gerido pela Caixa Econômica Federal.

O ex-presidente da Câmara poderá responder aos processos em liberdade. A única restrição imposta foi a proibição de viagens internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo Cunha

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.