Cid Gomes ataca Bolsonaro e acusa presidente de ‘aparelhar’ Polícia Federal

Cid Gomes ataca Bolsonaro e acusa presidente de ‘aparelhar’ Polícia Federal

Senador e seu irmão, Ciro, foram alvos de operação da PF que apura desvios nas obras do Castelão

Lôrrane Mendonça, especial para o Estadão

15 de dezembro de 2021 | 20h11

Cid Gomes é investigado na Operação Colosseum. Foto: Agência Brasil

O senador Cid Gomes (PDT) chamou o presidente Jair Bolsonaro de ‘moleque maior’ e o acusa de estar ‘aparelhando a Polícia Federal’, em resposta à Operação Colosseum, deflagrada nesta quarta-feira, 15, pela Polícia Federal. A operação investiga possíveis fraudes e corrupção em licitações para as obras da Arena Castelão, em Fortaleza, para a Copa do Mundo, entre 2010 e 2013, quando Cid era governador do Ceará.

Cid sugeriu ainda a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso. “O que eu posso fazer, além de registrar minha indignação, é denunciar o aparelhismo e, se for o caso e houver solidariedade, propor uma CPI para investigar isso”, disse em entrevista coletiva na noite desta quarta-feira.

Cid também afirmou que não usará o foro privilegiado e se sente vítima da situação. “Recorreremos a todas essas questões. Eu nunca fui chamado para prestar um depoimento. Não enxergo razão, senão o espetáculo e a notícia negativa”, pontuou.

A Operação Colosseum investiga o envolvimento de agentes políticos e servidores públicos no favorecimento de licitações para obras do estádio, que ocorreram durante a gestão de Cid Gomes. Ele e o irmão, o ex-ministro Ciro Gomes e pré-candidato à presidência da República pelo PDT, viraram alvo da investigação.

Segundo a PF, as investigações iniciaram em 2017, quando foram identificados indícios de esquema criminoso envolvendo pagamentos de propinas para favorecer uma empresa na licitação da Arena Castelão. Ao todo, 14 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em três cidades do Ceará: Fortaleza, Meruoca e Juazeiro do Norte; São Paulo, Belo Horizonte e São Luís.

Cid comentou ainda sobre a apreensão de R$ 55 mil na cidade de Meruoca pela Polícia Federal e garantiu que a quantia está declarada em Imposto de Renda.

Tudo o que sabemos sobre:

Cid GomesCiro GomesPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.