Aras reage à Transparência Internacional e diz que relatórios sobre perda de independência da PGR são ‘distorcidos’

Aras reage à Transparência Internacional e diz que relatórios sobre perda de independência da PGR são ‘distorcidos’

"Pinçam episódios e os interpretam de forma distorcida com o objetivo de consolidar narrativa que não reflete a realidade", diz nota divulgada nesta quinta, 15, pela Procuradoria-Geral da República

Rayssa Motta

16 de outubro de 2020 | 10h23

O procurador-geral da República, Augusto Aras, reagiu aos relatórios divulgados esta semana pela Transparência Internacional. Nas publicações, a organização apontou ‘retrocessos’ no combate à corrupção no País e demonstrou preocupação com a perda de autonomia dos órgãos de investigação e controle, incluindo o Ministério Público Federal (MPF).

Documento

Documento

O relatório ‘Brazil: Setbacks in the Legal and Institutional Frameworks (2020 Update)‘, por exemplo, lembra que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rompeu com a tradição de escolher como dirigente do MPF um nome indicado na lista tríplice votada pelos membros da instituição.

Bolsonaro na solenidade de posse do procurador-geral da República, Augusto Aras, no Palácio do Planalto. Foto: Dida Sampaio / Estadão

“O estudo ainda destaca a perda de independência da Procuradoria-Geral da República e as ameaças de desmantelamento de forças-tarefas responsáveis por casos de grande relevância envolvendo réus poderosos, como já ocorreu com a força-tarefa Greenfield e as renúncias coletivas dos procuradores da força-tarefa Lava Jato em São Paulo e do grupo de trabalho da Lava Jato em Brasília”, afirma a Transparência Internacional.

Em nota divulgada nesta quinta-feira, 15, Aras acusou os relatórios de parcialidade. “Pinçam episódios e os interpretam de forma distorcida com o objetivo de consolidar narrativa que não reflete a realidade”, diz a manifestação.

O texto afirma ainda que os números de denúncias apresentadas na atual gestão ‘provam aumento da atuação no combate à corrupção’. Nos últimos 12 meses, a PGR ofereceu 26 denúncias contra 92 pessoas e abriu 121 novas frentes de investigação. “Conclusão oposta a essa somente é possível a partir de “levantamentos” parciais”, completa a PGR.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: