Após ataque hacker, presidente do STJ lança plano com atualizações na política de segurança digital

Após ataque hacker, presidente do STJ lança plano com atualizações na política de segurança digital

Computadores da Corte foram invadidos na semana passada e, desde então, sistema de informática do tribunal está fora do ar com 12 mil processos travados

Rayssa Motta e Fausto Macedo

09 de novembro de 2020 | 08h59

Após tomar posse como presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no final de agosto, o ministro Humberto Martins começou a trabalhar para desenvolver o plano de metas a serem cumpridas durante sua gestão no biênio 2020-2022.

“As iniciativas foram construídas dentro do contexto de um novo normal pós-pandemia, tanto interno, com os magistrados e servidores desejosos de maior participação na gestão, quanto externo, com a sociedade cobrando uma maior transparência e atuação do Judiciário”, diz um trecho do documento de 64 páginas divulgado nesta segunda-feira, 9.

As 47 metas foram divididas em três eixos: governança, tecnologia e inteligência artificial e comunicação com a sociedade. No primeiro, foram desenhadas para reduzir a demora na prestação jurisdicional. No segundo, para estruturar uma área de dados na Corte e intensificar a digitalização. No terceiro, para ampliar os canais de contato com os cidadãos.

O ministro Humberto Martins

O ministro Humberto Martins. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Além de detalhar as iniciativas, o plano organiza as metas segundo prazo, impacto e esforço necessários para que sejam colocadas em prática.

Há, por exemplo, projetos de redução de demandas, triagem processual e automatização de comunicações processuais – todos para dar celeridade ao dia a dia na Corte. O plano prevê ainda a instituição de um banco para divulgar dados abertos e estratégias para a implementar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no STJ.

Diante da pandemia de covid-19, o Superior Tribunal de Justiça também prepara iniciativas de Segurança em Saúde e aprimoramento do teletrabalho e do trabalho remoto.

Melhorias da política de segurança da informação está entre as metas do STJ para o biênio 2020-2022. Foto: Reprodução

Estão previstas ainda atualizações na política de segurança da informação. Na semana passada, os computadores da Corte foram invadidos em um ataque hacker que bloqueou a base de dados dos processos em andamento e quase paralisou os trabalhos no tribunal. A previsão é que o sistema de informática seja reestabelecido e volte a funcionar gradualmente a partir desta segunda-feira, 9.

“Em face ao inquestionável aumento de volume de ataques cibernéticos ocorridos nos últimos tempos, à evolução tecnológica, à criticidade e à sensibilidade dos dados armazenados pelo Tribunal, é essencial a constante evolução da área de Segurança da Informação na TI do STJ”, informa o plano.

Leia abaixo todas as metas do Plano de Gestão 2020-2022 do STJ:

1. Governança

  • Projeto de Redução de Demandas
  • Triagem Processual Avançada
  • Criação do Núcleo de Ações Coletivas (NAC – STJ)
  • Análise Parametrizada com Automação de Minutas – AREsp e REsp
  • Automatização das Comunicações Processuais
  • Controle Automático do Prazo de Despachos de Mero Expediente
  • Baixa Automática das Decisões Colegiadas
  • Busca Textual nas Peças do Processo
  • Comitês Consultivos de Ministros
  • Programa de Valorização do Servidor
  • Divulgação das Informações em Formato de Dados Abertos
  • Implementação da LGPD
  • Programa de Integridade do STJ
  • Aprimoramento do Sistema de Informações de Custos (SIC – STJ)
  • Jurisprudência Administrativa
  • Adoção de Novo Padrão Energético, com Prioridade para a Energia Solar
  • Modernização e Evolução do Sistema Administra
  • Aprimoramento do Sistema de Gestão de Pessoas (iSGP)
  • Aprimoramento da Governança das Aquisições
  • Projeto Empatia
  • Modernização do CEFOR
  • Plano de Segurança em Saúde para Enfrentamento da Covid-19
  • Aprimoramento da Política de Teletrabalho e de Trabalho Remoto
  • Programa Proximidade com o Cidadão

2. Tecnologia e inteligência artificial a serviço da Justiça e do cidadão 

  • Automação da Área de Triagem NARER (Núcleo Admissibilidade de Recursos Repetitivos)
  • Criação de Equipes de Curadoria de Modelos de IA
  • Evolução do Modelo de IA do Projeto ATHOS
  • Incremento da Base de Dados de Treinamento dos Modelos de IA
  • Criação de Comitê de Ética de Inteligência Artificial
  • Expansão da Capacidade de Processamento da Infraestrutura de TI dos Modelos de IA
  • Adesão à Plataforma Nacional Integrada de IA dos Tribunais
  • Unificação das Demandas de BI, Analytics e Dados em uma Única Área
  • Migração da Área de Dados para a Área de IA
  • Padronização do Uso de Painéis de BI
  • Criação e Desenvolvimento de Equipe Específica com as Competências Técnicas Voltadas para a Ciência de Dados
  • Criação e Estruturação de Infraestrutura de Tecnologia para a Ciência de Dados
  • Unificação em Ambiente Computacional de Data Lake dos Dados do STJ
  • Atualização da Política de Segurança da Informação
  • Atualização de Políticas de Incidentes de Segurança da Informação
  • Plano de TI de Adequações à LGPD
  • Programa Justiça Web
  • Atualização e Melhoria da Infraestrutura para Programa Justiça Web

3. Comunicação com a sociedade

  • Pesquisa de imagem
  • Produção de Episódios Multimídia
  • Fale com o Presidente – de Mãos Dadas: magistratura e cidadania
  • Entrevistas com o Presidente
  • Café com o Presidente

Tudo o que sabemos sobre:

STJ [Superior Tribunal de Justiça]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.