Após 18 meses da primeira convocação, Flávio Bolsonaro depõe no caso das ‘rachadinhas’

Após 18 meses da primeira convocação, Flávio Bolsonaro depõe no caso das ‘rachadinhas’

A Promotoria havia tentado ouvir o senador no início de 2019, mas ele não prestou depoimento, e depois tentou interromper a investigação por meio de recursos judiciais

Fábio Grellet/RIO

07 de julho de 2020 | 21h20

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi ouvido nesta terça-feira (7) pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) no inquérito que investiga o esquema de “rachadinha” em seu gabinete enquanto era deputado estadual no Rio de Janeiro. O esquema consistiria na devolução de parte dos salários dos assessores. O depoimento desta terça-feira foi prestado a pedido do próprio senador, que afirmou por meio de sua assessoria querer ‘restabelecer a verdade’.

A oitiva foi realizada pelos promotores do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), que investiga o caso desde março do ano passado. Flávio é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Outro alvo da mesma investigação é Fabrício Queiroz, seu ex-assessor parlamentar, preso em 18 de junho em Atibaia (SP).

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) participa de cerimônia no Palácio do Planalto. Foto: Gabriela Biló / Estadão

O pedido para que fosse ouvido na investigação representou uma mudança na estratégia de defesa do senador. O MP-RJ havia tentado ouvir o senador no início de 2019, mas ele não prestou depoimento. Depois, tentou interromper a investigação.

Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do senador, o conteúdo da audiência está em segredo de Justiça e será preservado. Ainda segundo a assessoria, a mulher do parlamentar, Fernanda Bolsonaro, não prestará depoimento. O MP-RJ havia requerido também a oitiva dela. A defesa do senador afirmou ainda que Flávio Bolsonaro “não praticou qualquer irregularidade e que confia na Justiça”.

Tudo o que sabemos sobre:

Flávio BolsonaroMinistério Público

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.