Ao deixar prisão, Cristiane Brasil critica ‘canetada’ e agradece companheiras de carceragem que lhe deram até queijo

Ao deixar prisão, Cristiane Brasil critica ‘canetada’ e agradece companheiras de carceragem que lhe deram até queijo

Após sucessivos pedidos, ex-deputada federal recebeu autorização e foi solta nesta quinta-feira, 15; filha de Roberto Jefferson foi detida sob suspeita de participação em desvios de contratos de Assistência Social do Rio

Redação

16 de outubro de 2020 | 18h04

A ex-deputada Cristiane Brasil, antes de se entregar à Polícia Civil, no dia 11 de setembro. Foto: Twitter / Reprodução

Ao deixar a penitenciária após passar pouco mais de um mês detida preventivamente, a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB) voltou a criticar a ordem judicial que a mandou para a prisão.

“Uma canetada é capaz de “destruir” famílias inteiras…”, escreveu em sua conta no Twitter nesta sexta-feira, 16.

A filha de Roberto Jefferson também usou a rede social para agradecer as companheiras de carceragem no Instituto Penal Ismael Pereira Sirieiro, em Niterói, na região metropolitana do Rio.

“Esse queijo é feito pelas internas da Galeria E, aonde fiquei. Uma iguaria para quem come pão, bebe mistura de cevada com café, melado de açúcar, almoça arroz com feijão e tudo o que não se compra nem pros animais. Não me admira a investigação em curso no Estado. Agradeço a elas!”, disse.

Cristiane Brasil foi presa na segunda fase da Operação Catarata, em 11 de setembro, acusada pelo Ministério Público do Rio de participação em desvios de recursos de contratos de assistência social firmados pela Prefeitura e Governo do Rio entre 2013 e 2018.

Após receber a ordem de prisão, a ex-deputada negou com veemência as acusações e apontou suposta motivação política por trás da denúncia. O caso levou o PTB a desistir de sua candidatura à Prefeitura do Rio.

Tudo o que sabemos sobre:

Cristiane Brasil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.