Alexandre determina ‘perícia imediata’ em celulares encontrados com deputado Daniel Silveira na prisão

Alexandre determina ‘perícia imediata’ em celulares encontrados com deputado Daniel Silveira na prisão

Câmara decide nesta sexta-feira, 19, se parlamentar continua preso; sessão deliberativa foi mantida após confirmação da detenção na audiência de custódia do deputado

Rayssa Motta

19 de fevereiro de 2021 | 07h43

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que os dois celulares entrados com o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) na Superintendência da Polícia Federal no Rio, onde ele estava preso, sejam periciados.

“Determino a imediata perícia dos aparelhos apreendidos, com todos os seus dados e remessa dos laudos para o presente inquérito”, diz o despacho assinado nesta quinta-feira, 18.

Os aparelhos foram apreendidos no início da tarde de ontem. Depois disso, o deputado passou por uma audiência de custódia, quando foi mantida a prisão em flagrante até um pronunciamento oficial da Câmara sobre o caso. Com a decisão, ele foi transferido ao Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar, em Niterói, na região metropolitana do Rio.

daniel_silveira_deputado_federal_psl

Daniel Silveira é transferido para Batalhão Especial Prisional. FOTO: WILTON JUNIOR / ESTADÃO

O destino de Silveira está agora nas mãos da Câmara dos Deputados. O plenário vai decidir sobre a prisão nesta sexta-feira, 19. A tendência é manter o parlamentar na cadeia.

Ex-policial militar e integrante da ala bolsonarista do PSL, Daniel Silveira foi preso após publicar um vídeo (assista abaixo) em suas redes sociais fazendo apologia à ditadura militar e discurso de ódio contra ministros do Supremo Tribunal Federal. Ele ficou famoso ao quebrar uma placa que homenageava a vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018, na campanha eleitoral daquele ano.

Além da prisão, o vídeo lhe rendeu uma denúncia, formalizada pela Procuradoria-Geral da República, por grave ameaça e incitação de animosidade entre o Supremo Tribunal Federal e as Forças Armadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.