Vacina que será testada em São Paulo teve ensaios clínicos anteriores na China
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vacina que será testada em São Paulo teve ensaios clínicos anteriores na China

Publicação enganosa faz relação imprecisa com número de habitantes do país asiático e omite histórico de projeto

Samuel Lima, especial para o Estado

18 de junho de 2020 | 12h43

Circula nas redes sociais uma mensagem enganosa sobre os testes clínicos no Brasil de uma vacina contra a covid-19 produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech. Na semana passada, o governo do estado de São Paulo anunciou que a terceira etapa de testes será feita com 9 mil voluntários no País, com a assinatura de parceria entre a empresa farmacêutica e o Instituto Butantan

No Facebook, uma publicação obteve mais de 143 mil compartilhamentos e 4,7 milhões de visualizações ao afirmar que “a China tem 1 bilhão de habitantes e vai testar a vacina em São Paulo?” ao lado de um emoji (figurinha) representando dúvida e desconfiança. Porém, o conteúdo omite que a Sinovac realizou experimentos, durante as fases 1 e 2 do projeto, com voluntários chineses, e também faz uma comparação inadequada usando apenas um dado demográfico.

Post no Facebook engana ao omitir informação de que etapas de testes 1 e 2 ocorreram na China e ao fazer comparação inadequada entre número de habitantes. Foto: Reprodução / Arte Estadão

De acordo com a International Clinical Trials Registry Platform, mantida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a Sinovac iniciou testes clínicos, em 16 de abril, para estudo com 744 voluntários recrutados na China, com idades entre 18 e 59 anos. O estudo é randomizado, com grupo controle e testes duplo-cego — aqueles em que nem médico, nem paciente sabem se a dose contém produto ou placebo.

Em comunicado recente, o laboratório chinês afirmou que resultados preliminares indicam que a vacina não causou efeitos colaterais graves e mais de 90% das pessoas produziram anticorpos, segundo reportagem da Bloomberg. Os dados ainda precisam passar por avaliação de outros pesquisadores antes de serem publicados em revistas científicas. A empresa também anunciou outra pesquisa, com 422 participantes acima de 60 anos, mas a localidade e o período de testagem não estão claros.

Qual o motivo para se testar vacinas contra a covid-19 no Brasil?

A justificativa para a realização de testes fora da China passa pelos números atuais da pandemia de covid-19. Enquanto o Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos confirmados da doença, com mais de 928 mil infectados e 45 mil mortes até segunda-feira, 16, a China conteve a disseminação em cerca de 83 mil infectados e apresentava apenas 210 casos ativos na mesma data. Somente em junho, o Brasil registrou 411 mil novos casos.

Como a avaliação de uma vacina requer testes em milhares de pessoas ainda com exposição potencial ao vírus, os laboratórios chineses na corrida pela vacina passaram a buscar parcerias em outros países. Esse também é o caso do projeto em desenvolvimento pela Universidade de Oxford e a empresa AstraZeneca, do Reino Unido, por exemplo.

Em junho, foram anunciados testes em 2 mil pessoas no Brasil, sob coordenação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O País será o primeiro a participar do procedimento fora do Reino Unido. Em entrevista ao Estadão, o presidente da AstraZeneca no Brasil, Fraser Hall, explicou que a decisão leva em conta a grande população do País e a franca aceleração de casos de pessoas com covid-19. “Para fazer a testagem é preciso estar em um lugar que o vírus está atuando com força. É por isso que o Brasil está tendo grande parte nisso, assim como o Reino Unido e os Estados Unidos”, disse.

Segundo publicação da OMS de 9 de junho, 136 vacinas contra o novo coronavírus estão em desenvolvimento no mundo, mas apenas 11 já avançaram os estudos pré-clínicos e começaram testes de segurança e eficácia em humanos. Além dos projetos da Sinovac Biotech e de Oxford/AstraZeneca, existem candidatas das empresas Moderna, CanSino, Novavax, Inovio, Sinopharm, BioNTech e Pfizer, além do Imperial College London, no Reino Unido, e do Institute of Medical Biology, na China.

O número de habitantes na China também não está correto na mensagem enganosa. Dados do Banco Mundial, agência independente da Organização das Nações Unidas (ONU), mostram que o país asiático tinha população de 1,393 bilhão em 2018, dado mais recente. A mesma fonte aponta 209 milhões de habitantes no Brasil no mesmo período. Essa comparação, no entanto, não é adequada para avaliar qual o melhor território para a realização de testes com vacinas, pois estas demandam ambientes com potencial de incidência para demonstrar eficácia de fato.

Desconfiança é apoiada em boatos sobre vírus criado em laboratório

Nas redes, o acordo entre o Instituto Butantan e a Sinovac Biotech para a terceira etapa de testes da vacina também fez surgir uma série de ataques apoiados em teorias de que o Sars-Cov-2, causador da covid-19, teria sido criado em um laboratório de Wuhan, na China. O Estadão Verifica e o Projeto Comprova já desmentiram vários conteúdos do gênero

Após o anúncio do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilharam postagens falando em “vacina chinesa” e “vírus chinês”, termos que sugerem artificialidade do vírus e conspiração na pandemia. Alguns deles foram o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, e o blogueiro bolsonarista Bernardo Küster, um dos alvos do inquérito das fake news contra o Supremo Tribunal Federal (STF).

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: