Tabela de mortes do Datasus compartilhada em redes sociais tem números falsos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tabela de mortes do Datasus compartilhada em redes sociais tem números falsos

Post alega que dados são de janeiro a março de 2020, mas o portal do Ministério da Saúde só possui informações consolidadas até 2018

Pedro Prata

15 de abril de 2020 | 19h12

Uma tabela compartilhada no Facebook e no WhatsApp que compara o número de mortos pela covid-19 com o de outras doenças contém dados falsos. Os números listados na imagem não correspondem às informações disponíveis no Datasus, o portal de dados do Sistema Único de Saúde. A plataforma só possui registros consolidados de óbitos até 2018.

Isso porque os dados de mortes são notificados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e são fechados a cada dois anos, segundo informou em nota o Ministério da Saúde. O Datasus possui dados de morbidade hospitalar de janeiro e fevereiro de 2020, mas estes números referem-se apenas a mortes ocorridas em hospitais do SUS. Neste caso, os números ficam muito abaixo daqueles apresentados na tabela compartilhada nas redes sociais (veja abaixo).

Foto: Reprodução/Facebook

Até mesmo a informação sobre o número de mortos da covid-19 está incorreta. A tabela aponta que a doença causada pelo novo coronavírus levou à morte 946 pessoas até o dia 10 de março. Dados do Ministério da Saúde registram total de 1.056 até a data citada.

O Ministério da Saúde acrescentou, em nota, que é equivocado comparar as causas de óbito dessa forma. “Isso porque pacientes que vieram a óbito poderiam ter mais de uma comorbidade. Já em relação à covid-19, várias são as comorbidades associadas nos casos dos pacientes que vieram a óbito. Desta maneira, fazer tal comparativo torna-se inviável”, informou a pasta.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas: apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: