Mensagem falsa sobre morte de presidente do Santander por coronavírus circula no Facebook
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mensagem falsa sobre morte de presidente do Santander por coronavírus circula no Facebook

Não é verdade que filha do presidente do Conselho de Administração do banco em Portugal tenha divulgado frase sobre o pai

Estadão Verifica

19 de maio de 2020 | 18h54

O presidente do conselho de administração da unidade do banco Santander em Portugal, António Vieira Monteiro, foi uma das 1.247 vítimas do novo coronavírus no país europeu. Desde sua morte, circulam no Facebook boatos que afirmam que a filha do banqueiro escreveu uma mensagem dizendo que o dinheiro não foi o suficiente para salvar a vida de seu pai. Nesta semana, o conteúdo falso voltou a circular na rede social. 

Procurado pela equipe do Estadão Verifica, o Diretor de Comunicação e Marketing Corporativo do Santander em Portugal, João Paulo Velez, confirmou que a fala foi inventada e que a filha de Monteiro é contra o pensamento descrito na publicação. 

Mensagem falsa da filha do presidente do banco Santander

Foto: Reprodução/Facebook

Após contrair a doença em uma viagem para a Itália, António Vieira Monteiro foi internado em um hospital em Lisboa e morreu no dia 18 de abril, aos 74 anos. Ele foi a segunda vítima da covid-19 em Portugal, segundo o jornal português Expresso. De acordo com dados da Direção-Geral da Saúde, neste mês de maio o país chegou a quase 30 mil casos confirmados.

O país europeu relaxou recentemente as medidas de confinamento e manteve as taxas de contágio do coronavírus estáveis. 

A equipe de checagem do Fato ou Fake também desmentiu esse boato.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: