Menina que sofreu parada cardíaca tinha doença congênita rara; caso não teve relação com vacina, diz governo

Menina que sofreu parada cardíaca tinha doença congênita rara; caso não teve relação com vacina, diz governo

Grupos antivacina têm compartilhado caso de criança de Lençóis Paulista nas redes sociais; análise de 10 especialistas descartou relação com imunizante

Alessandra Monnerat

21 de janeiro de 2022 | 13h04

Grupos antivacina têm compartilhado nas redes sociais o caso de uma menina de 10 anos da cidade de Lençóis Paulista, no interior do Estado. Ela foi internada após sofrer uma parada cardiorrespiratória — no entanto, como mostrou o Estadão nesta quinta-feira, 20, a Secretaria Estadual da Saúde informou que não se trata de um caso de efeito adverso da vacinação contra covid-19.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, 10 especialistas ligados ao governo procuraram a equipe médica que atende a criança. “Se concluiu que não se trata de um evento adverso decorrente da vacina”, disse durante coletiva de imprensa do início da aplicação da Coronavac em crianças. “Não tem qualquer relação com o imunizante ministrado.”

Estado começou vacinação de crianças com Coronavac nesta semana. Foto ilustrativa. Crédito: Governo de SP

A menina sofreu uma parada cardíaca cerca de 12 horas depois de tomar o imunizante da Pfizer. O que a equipe médica que analisou o caso informou é que “a criança possuía uma doença congênita rara, desconhecida até então pela família, que desencadeou o quadro clínico”.

O município de Lençóis Paulista chegou a suspender a vacinação após registro do caso. Descartada a relação com o imunizante, a vacinação infantil foi retomada, mediante agendamento. O prefeito local, Anderson Prado (DEM), disse que o motivo da parada cardíaca não estava confirmado no momento da suspensão. Segundo ele, o único outro relato de mal-estar após a aplicação foi o de uma criança que teve febre leve. “Que é uma reação esperada, inclusive entre os adultos”, comentou.

Ele também destacou a importância da vacinação para os adultos. “Estamos com aproximadamente 2 mil infectados (por covid-19), é o maior número de infecção que nós já tivemos em Lençóis Paulista. Mas, na nossa UTI, somente um lençoense precisava de cuidados de terapia intensiva, e não está intubado. Isso é reflexo, evidentemente, da população, que tem aderido a vacinação”, ressaltou, citando dados de quarta-feira, 19.

Em nota, o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) já havia apontado, em nota, que foi “precipitado e irresponsável afirmar que o caso do município está associado à vacinação”. “Na maioria das vezes, os casos de eventos adversos pós-vacinação são coincidentes, sem qualquer relação causal com o imunizante.”

A menina está internada na UTI da Unimed Botucatu. A unidade médica informou na tarde desta sexta, 21, que a garota está “estabilizada, acordada e segue sob assistência médica, realizando exames”.  / com Priscila Mengue e Everton Sylvestre, especial para o Estadão


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.