Entrevista de Lula é deturpada para sugerir que ele teria anunciado instalação do ‘regime comunista da China’ no Brasil

Entrevista de Lula é deturpada para sugerir que ele teria anunciado instalação do ‘regime comunista da China’ no Brasil

Trechos editados tiram declaração de contexto; ex-presidente comentava a expectativa de retomar aproximação com países emergentes

Pedro Prata

04 de fevereiro de 2022 | 12h10

Trechos de uma entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram deturpados para sugerir que ele teria dito que, se eleito, “vai implantar o regime comunista da China, no Brasil, já em 2023”. Os pedaços da entrevista, concedida ao portal chinês de notícias Guancha, são compartilhados em um vídeo viral no WhatsApp que não dá aos usuários informações sobre seu contexto original.

Antes de compartilhar a fala de uma pessoa pública, confirme se o seu sentido original foi preservado. Foto: Reprodução

No vídeo, é possível ouvir Lula elogiando a China por ter “um partido que tem poder” e um “estado forte que toma decisões e as pessoas cumprem”. Ele também cumprimenta o país asiático por seu combate à pandemia. “Pensava muito grande na minha relação com a China. Eu achava que a gente deveria ter construído uma parceria estratégica.”

Por fim, o ex-presidente chama a China de “exemplo para o mundo”. Logo depois, entra um trecho em que afirma: “Eu tenho muita fé e esperança de que vamos conseguir fazer isso a partir de 2022”. Este trecho final é utilizado para dar a entender que o petista promete instaurar o modelo de governo chinês no País. Mas não é disso que se trata. Quando ele diz esperar “fazer isso a partir de 2022”, se refere a uma diplomacia externa de maior diálogo e intercâmbio entre os países em desenvolvimento.

A entrevista completa tem mais de 51 minutos e está disponível no canal do YouTube da Rede TVT. Lula faz diversos elogios ao governo chinês e não menciona nenhuma das acusações de violações de direitos humanos feitas por organizações internacionais. “A China é um exemplo de desenvolvimento pro mundo. Espero que outros países aprendam a lição para que a gente possa ser mais rico, mais forte e ter mais distribuição de riqueza. Eu trabalhei muito com o Hu Jintao (ex-presidente da China) a necessidade de uma relação Sul-Sul, de não ficar dependendo do Norte como somos dependentes”, disse Lula, referindo-se aos países emergentes como “Sul” e aos Estados Unidos e a Europa como “Norte”. “Lamentavelmente não conseguimos chegar lá, mas eu tenho muita fé e esperança de que vamos conseguir fazer isso a partir de 2022.”

O vídeo viral não mostra, mas quando Lula fala que “a gente deveria ter construído uma parceria estratégica”, também cita Rússia, Índia e África do Sul, grupo de países emergentes denominado Brics. Ele comenta sobre a expectativa de criar mecanismos de cooperação multilaterais que favoreçam as nações mais pobres.  “Eu sonhava muito com os Brics. Eu pensava muito grande na minha relação com a China. Com a Índia, com a Rússia e com a África do Sul. Eu achava que a gente deveria ter construído uma parceria estratégica. Para que a gente, possuindo metade da humanidade, a gente não ficasse dependendo da política do dólar. A gente não precisasse do dólar para fazer nosso comércio exterior. Para que a gente fizesse parceria no desenvolvimento tecnológico. A gente estava fazendo parceria com a China para desenvolver nossos foguetes para vigiar nossos países, nosso planeta.”

Todos os trechos estão disponíveis entre 15m18s e 22:06. Confira:

 


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.