Fotos de Lula e Bolsonaro na transposição do São Francisco foram tiradas em cidades diferentes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fotos de Lula e Bolsonaro na transposição do São Francisco foram tiradas em cidades diferentes

Postagem no Facebook compara avanço nas obras entre as duas gestões, mas usa imagens de trechos distintos

Alessandra Monnerat

26 de outubro de 2020 | 16h24

Duas fotos que mostram o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em visitas a obras de transposição do Rio São Francisco tem sido compartilhadas no Facebook para exaltar uma inauguração feita pela gestão atual em junho deste ano. As duas imagens, no entanto, foram feitas em cidades diferentes. Lula foi fotografado em Cabrobó, no Pernambuco, em 2009. Já Bolsonaro inaugurou uma comporta responsável por trazer águas ao reservatório da cidade de Jati, no Ceará.

Uma foto em que Lula usa camisa vermelha e caminha sobre um canal vazio foi tirada em outubro de 2009 pelo então fotógrafo da Presidência, Ricardo Stuckert. O Estadão cobriu a viagem do petista às obras de transposição do São Francisco, que ainda não estavam concluídas. O fotógrafo Dida Sampaio fez fotos semelhantes de Lula no canal. 

Na ocasião, o ex-presidente visitou obras do Eixo Leste da transposição.  O Eixo Leste foi inaugurado em março de 2017, na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB)

Página do Estadão de 17 de outubro de 2009. Foto: Acervo Estadão

Neste ano, Bolsonaro inaugurou uma obra da transposição do Velho Chico em Jati, no Ceará. A foto em que o presidente comemora com os braços para cima foi divulgada em seu Twitter oficial. Na ocasião, se acionou a comporta que libera água da barragem de Jati para o Cinturão das Águas do Ceará. O trecho faz parte do Eixo Norte das obras.

Desde a visita do presidente ao São Francisco, diversas postagens nas redes sociais passaram a disputar a “paternidade” das obras de transposição. O Estadão Verifica checou vários posts relacionados ao assunto.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: