Foto de aniversário de Haddad é tirada de contexto para acusar petista de furar quarentena
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto de aniversário de Haddad é tirada de contexto para acusar petista de furar quarentena

Registro é do ano passado, e Haddad fez aniversário em 25 de janeiro, cerca de um mês antes do primeiro caso de covid-19 no País

Samuel Lima, especial para o Estado

12 de junho de 2020 | 15h27

Circula nas redes sociais uma foto do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) batendo palmas sozinho, em frente a um bolo de aniversário, com uma pilha de pratos na mesa. As legendas acusam o petista de mentir sobre o isolamento contra a covid-19 — dando a entender que Haddad teria celebrado a data com vários convidados, contrariando as medidas de prevenção.

Postagens falsas no Facebook acusam Haddad de promover festa de aniversário com vários convidados em meio à pandemia. Foto: Reprodução / Arte Estadão

A foto, porém, é antiga e foi tirada de contexto. O Estadão Verifica fez uma pesquisa reversa da imagem e a encontrou publicada por vários perfis no Twitter ao longo do ano passado. O registro mais antigo é de 25 de janeiro, que é a data de aniversário de Haddad, conforme consta em seu registro de candidatura a presidente nas eleições de 2018. Procurada pela reportagem, a assessoria de Fernando Haddad confirmou que a fotografia foi tirada naquela data.

Mesmo que o registro fosse deste ano, também não faria sentido a alegação do boato. O primeiro caso de covid-19 foi confirmado apenas em 26 de fevereiro, cerca de um mês após a data. Além disso, o governo estadual decretou quarentena em São Paulo somente em 24 de março, ou seja, 50 dias depois.

A Agência Lupa e o Fato ou Fake, do portal G1, também desmentiram esse boato.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.