Sem evidências, posts associam piloto ucraniano morto à lenda do ‘Fantasma de Kiev’

Sem evidências, posts associam piloto ucraniano morto à lenda do ‘Fantasma de Kiev’

Coronel Oleksandr Oksanchenko morreu enquanto distraía aeronaves russas e recebeu título de Herói da Ucrânia, mas não há comprovação de que ele tenha abatido diversos caças inimigos

Clarissa Pacheco

08 de março de 2022 | 14h50

O coronel Oleksandr Oksanchenko, piloto de caça conhecido por seu desempenho em exibições de acrobacias aéreas, recebeu postumamente a maior das honrarias do governo de seu país no último dia 28 de janeiro de 2022: o título de Herói da Ucrânia com a Ordem da Estrela Dourada. Oksanchenko, que estava aposentado desde 2018 e voltou à ativa para atuar no conflito contra a Rússia, morreu em combate enquanto distraía aeronaves inimigas. A notícia da morte passou a circular em posts no Facebook que afirmam que o militar seria a verdadeira identidade do chamado “fantasma de Kiev” — mas não há qualquer evidência disso.

O “fantasma de Kiev” é o nome que se deu nas redes sociais ao boato de que um piloto ucraniano teria, sozinho, abatido diversas aeronaves russas em um único dia. Mas até o momento não foi possível confirmar com informações confiáveis que isso realmente tenha acontecido; não há imagens do suposto piloto. Na semana passada, o Estadão Verifica mostrou que um vídeo viral compartilhado como sendo a atuação do “fantasma” tinha sido produzido no videogame Digital Combat Simulator World (DCS).

O Verifica fez uma busca reversa da imagem utilizada no post que associa Oksanchenko ao fantasma e localizou dezenas de publicações, a maior parte do dia 1º de março de 2022, informando sobre a morte do coronel, também conhecido como ‘Lobo Cinzento’. A foto, em preto e branco, é uma versão da mesma fotografia colorida que foi usada na imprensa ucraniana em 2018 para noticiar o fato de Oksanchenko ter sido o destaque das acrobacias aéreas a bordo do caça Su-27 num festival de aviação na República Tcheca.

Nenhum dos textos que noticiam a morte do piloto de caça, no entanto, fazem qualquer relação entre ele e o tal “fantasma de Kiev”. O jornalista ucraniano Illia Ponomarenko, repórter de defesa e segurança do jornal The Kyiv Independent, foi um dos que noticiou a morte do piloto de caça em sua conta no Twitter. No dia 1º de março, ele escreveu que Oksanchenko era um dos melhores das Forças Armadas Ucranianas.

Lenda urbana

Em conversa com o Estadão Verifica sobre o coronel Oksanchenko e a figura do “fantasma de Kiev”, Illia Ponomarenko afirmou que o personagem não passa de uma “lenda urbana”. “Não existe como uma pessoa real, é apenas uma imagem encorajadora do valor da força aérea ucraniana nesta guerra. Na internet, há até uma foto minha ao lado de um caça, e muitas pessoas acreditam que esta é uma foto confirmada do verdadeiro Fantasma de Kyiv”, explica Ponomarenko. Ele utiliza a grafia Kyiv, como os ucranianos chamam a própria capital, e não Kiev, como se escreve na tradução para o russo.

Perguntado sobre como o coronel Oksanchenko havia sido relacionado ao “fantasma”, o jornalista, que já esteve já Palestina e na República Democrática do Congo como repórter incorporado às forças de manutenção de paz da ONU, explica que é possível que o piloto de caça ucraniano seja o responsável por algumas das façanhas atribuídas ao tal fantasma. “Mas você sabe, mais de 15 vitórias aéreas para apenas um piloto dentro de 10 ou 11 dias não é realista”, completa.

O post no Twitter das Forças Armadas da Ucrânia que anunciou a morte de Oksanchenko tem respostas de ucranianos se referindo ao coronel como o “fantasma de Kyiv”. As Forças Armadas, no entanto, não fazem essa associação.

Quem foi Oleksandr Oksanchenko

O piloto de caça ucraniano Oleksandr Oksanchenko tinha mais de 2 mil horas de voo. Ele costumava participar de shows aéreos como o Slovak International Air Fest (SIAF), The Royal International Air Tattoo, International Airshow-2017, Czech International Air Fest e o European Airshow. Este último evento publicou uma nota em que lamentou a morte do piloto.

A agência de notícias das Forças Armadas ucranianas incluiu o coronel na galeria dos Heróis da Ucrânia e informou que ele “morreu em uma batalha aérea, distraindo aeronaves inimigas”. Oksachenko havia sido o professor de muitos pilotos ucranianos e costumava dizer que “acrobacias não são apenas belas manobras, mas elementos de combate real”.

A imprensa especializada brasileira noticiou a morte do piloto e a RBC Ucrânia se referiu a ele como “o melhor piloto de caça do mundo” e o “Ás das Forças Armadas da Ucrânia”.

O jornal mencionou o decreto do presidente Volodmir Zelenski que incluiu o piloto entre os homenageados com o título de Herói da Ucrânia, assinado em 28 de fevereiro de 2022. No texto, o presidente lista 12 homenageados “por coragem pessoal e heroísmo demonstrados em defesa da soberania estatal e integridade territorial da Ucrânia”. Doze pessoas receberam o título de Herói da Ucrânia com a Ordem da Estrela Dourada, entre elas o coronel Oleksandr Oksanchenko. Seis homenagens, assim como a do piloto, foram póstumas.

O autor do post foi procurado, mas não respondeu até a publicação deste texto.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.