É falso que ex-apresentador tenha vazado diretrizes da Globo para criticar Bolsonaro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que ex-apresentador tenha vazado diretrizes da Globo para criticar Bolsonaro

Em nota, emissora desmentiu autenticidade de documento intitulado 'Pauta para Covid', que circula nas redes

Victor Pinheiro, especial para o Estadão

26 de abril de 2021 | 18h18

Mensagens no WhatsApp e nas redes sociais espalham um documento falso com supostas diretrizes da Rede Globo para a cobertura jornalística da pandemia de covid-19. Com informações vagas e tom alarmista, as mensagens afirmam que uma “pauta sinistra” foi vazada por um apresentador demitido da emissora. Porém, nada disso é verdade.

Leitores enviaram este conteúdo para checagem ao WhatsApp do Estadão Verifica, 11 97683-7490.

Em nota divulgada neste sábado, 24, a Rede Globo desmentiu o boato. “[A Globo] reforça que é falso o documento supostamente vazado que está sendo compartilhado nas redes sociais com o que seriam recomendações de pauta sobre a covid-19 assinadas pelo editor-chefe do Jornal Hoje, Cláudio Marques”, disse a emissora.

 

As mensagens enganosas apresentam uma captura de tela com dez orientações. Elas sugerem que a diretoria da emissora atua para superdimensionar a pandemia e produzir notícias desfavoráveis ao governo Bolsonaro. Entretanto, além da ausência de elementos que confirmem a autenticidade do “documento sigiloso”, alguns detalhes indicam erros factuais no material. 

O conteúdo utiliza um logotipo antigo da Rede Globo, que foi substituído em 2014. Uma verificação do site Boatos.org pontua que o documento recebe a data de abril de 2020, mas cita problemas que ganharam destaque na história mais recente da pandemia, como a escassez de oxigênio e medicamentos para intubação em unidades. A crise nacional no estoque de sedativos para ventilação mecânica ocorreu em 2021.

Também vale ressaltar que, ao contrário do que sugere a diretriz número cinco do documento falso, não existem “kits de medicamentos” eficazes para a prevenção da covid-19. 

O boato ainda compartilha de características comuns de conteúdos enganosos em plataformas digitais. O teor alarmista gerado pela referência a documentos sensíveis e sigilosos, por exemplo, busca despertar um senso de urgência nos usuários para incentivar o compartilhamento do material nas redes. Também já desmentimos outros boatos envolvendo a Rede Globo, como postagens que tiravam do contexto um vídeo de uma apresentadora da emissora festejando com torcedores do Flamengo antes da pandemia.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.