Corrente no WhatsApp divulga informações falsas sobre família de Joe Biden
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corrente no WhatsApp divulga informações falsas sobre família de Joe Biden

Texto traz alegações falsas sobre esposa do presidente eleito, Jill, e sobre seus filhos, Hunter e Ashley

Alessandra Monnerat

09 de novembro de 2020 | 15h51

Uma corrente no WhatsApp circula com informações falsas a respeito da vida familiar do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden. O texto diz que a história da família Biden parece “enredo de novela das 8” e que “nem Janete Clair escreveria uma novela assim”. De fato, muitas das alegações apresentadas no WhatsApp são fantasiosas. Não é verdade que Biden tenha se casado com a babá de seus filhos, nem que sua filha mais nova, Ashley, tenha entrado em programas de reabilitação para dependentes químicos. A corrente também traz várias acusações falsas contra o filho do presidente eleito, Hunter.

Leitores pediram a checagem desse texto por WhatsApp, por meio do número (11) 97683-7490. Veja abaixo as frases checadas pelo Estadão Verifica.

“Joe Biden (…) e sua primeira esposa, Neilia, tiveram três filhos: Hunter, Beau e Naomi. Em 1972, Neilia e Naomi morreram em um acidente de carro”.

Isso é verdade: a tragédia ocorreu no dia 18 de dezembro de 1972, quando a família Biden voltava de compras de Natal. Biden tinha sido eleito pela primeira vez ao Senado naquele ano e tomou posse de um quarto de hospital, onde seus filhos Beau e Hunter se recuperavam do acidente. 

“Joe acabou se casando com uma mulher chamada Jill (sua atual esposa). Ele já a conhecia porque ela tinha sido a babá de Hunter no momento do acidente de carro. (Sim, ele casou com a babá)”.

Isso é falso. Joe e Jill Biden se casaram em 1977, cinco anos depois da tragédia de carro. Em uma entrevista à Vogue, Jill disse que foi apresentada ao futuro marido em 1975. Quem fez a ponte entre os dois foi o irmão de Joe, Frank. Os dois eram divorciados e se casaram depois que o agora presidente eleito a pediu em matrimônio cinco vezes.

“Eles tiveram uma filha chamada Ashley. Ashley vive ‘uma vida tranquila’ e freqüentemente ‘entra e sai’ da reabilitação por vários problemas de abuso de substâncias entorpecentes”.

Essa afirmação é exagerada: não há registros de que a filha mais nova de Biden tenha entrado em programas de reabilitação de dependentes químicos. Em 2009, o tabloide New York Post afirmou ter recebido um vídeo de Ashley usando cocaína. A pessoa responsável pela gravação tentou vender o vídeo por US$ 2 milhões, mas o jornal não aceitou o preço e não conseguiu confirmar se realmente era Ashley usando drogas. Em 1999, a filha de Biden foi presa em Nova Orleans por portar maconha.

“O ‘mais normal’ dos filhos sobreviventes, Beau, morreu em 2015 de um tumor no cérebro. Ele era casado com Haillie e eles tinham 2 filhos, um menino e uma menina chamada Natalie, que tinha 11 anos quando seu pai morreu”.

De fato Beau Biden morreu em 2015 de câncer cerebral. Ele foi procurador-geral do estado de Delaware (2007 a 2015), reservista do Exército enviado ao Iraque, e cogitou durante algum tempo a ideia de tentar suceder ao pai no Senado e parecia destinado a atuar na política nacional.

“Então, o tio Hunter Biden, em 2015, surge para ‘consolar’ a viúva de seu irmão. Veja bem, Hunter era casado na época com Kathleen Biden, desde 1993. (…) Hunter vai morar com a esposa de seu irmão morto, Haillie, e seus dois filhos. Ele acaba se divorciando de Kathleen em 2017”.

Hunter Biden de fato tem uma vida pessoal tumultuada por alcoolismo, abuso de drogas e infidelidade. De acordo com um perfil na revista New Yorker, Hunter e Kathleen tinham concordado em se separar em outubro de 2015, quando um portal revelou que o filho de Biden tinha conta em um site que facilitava pessoas casadas a terem casos extraconjugais.

Em agosto de 2016, Hunter e Hallie, a viúva de Beau Biden, fizeram uma viagem juntos aos Hamptons. Os dois se aproximaram e, segundo a New Yorker, decidiram se tornar um casal em outubro daquele ano. 

Em dezembro, Kathleen entrou com o pedido de divórcio e, no ano seguinte, pediu à Suprema Corte que congelasse os bens de Hunter. Ela alegou que temia pela saúde financeira da família, pois o filho de Biden “gastava com extravagância em seus próprios interesses (incluindo drogas, álcool, prostitutas, clubes de strip-tease e presentes para mulheres com quem ele tinha relações sexuais), deixando a família sem recursos para pagar as contas”.

A relação entre Hunter e Hallie se tornou pública em março de 2017, quando tabloides americanos publicaram a história. Na época, Joe Biden divulgou um pronunciamento afirmando aprovar o casal. Os dois ficaram juntos até 2019. 

“Nesse periodo, ele (…) engravida uma stripper (…) Hunter negou que o bebê da stripper fosse dele, mas um teste de paternidade provou o contrário”.

A história foi publicada em tabloides americanos em 2019. Lunden Alexis Roberts deu à luz a um filho em agosto de 2018. Um exame de DNA posteriormente confirmou que o pai era Hunter Biden. Em março desse ano, Roberts ganhou na Justiça o direito a receber pensão alimentícia e ajuda para pagar o plano de saúde da criança, de acordo com o Arkansas Democrat-Gazette, um jornal local.

“Hunter se casou com uma mulher chamada Melissa em 2019 depois de conhecê-la por 6 dias”.

De fato, de acordo com um perfil na New Yorker, Hunter Biden pediu a documentarista Melissa Cohen em casamento pouco depois de uma semana depois do primeiro encontro deles. Hunter disse ter ligado para o pai logo depois da cerimônia, de quem obteve apoio ao relacionamento.

“Surge um laptop de Hunter Biden carregado de e-mails, mensagens de texto, fotos, pornografia infantil, vídeos e outras imagens digitais sórdidas de uso de drogas e estranheza desenfreada”.

Isso é falso. Em outubro, o tabloide New York Post publicou uma matéria em que dizia ter obtido o disco rígido de um computador de Hunter Biden, que conteria evidências de reuniões com empresários ucranianos. Nesse artigo do New York Post, não há qualquer menção a pornografia infantil. 

A própria matéria sobre o disco rígido de Hunter Biden é questionada: funcionários do New York Post expressaram dúvidas sobre a qualidade jornalística da reportagem e o canal Fox News preferiu não noticiar a história. Os sites americanos Politifact e FactCheck.Org também checaram esta alegação.

“E-mails foram liberados entre a viúva de Beau Biden, Haillie, e Joe Biden em 2017 e mais em 2018, quando ela e Hunter ainda moravam juntos. Eles estavam conversando casualmente sobre o ‘comportamento sexualmente impróprio’ contínuo que ela testemunhou de Hunter em relação a sua filha de 14 anos, Natalie, SUA SOBRINHA!”

Isso também é falso. O Estadão Verifica não encontrou nenhum registro em fontes confiáveis dessa acusação contra Hunter Biden. Em outubro, a revista Slate escreveu sobre as alegações infundadas de pedofilia contra o filho de Joe Biden, parte de uma campanha de desinformação para atacar o candidato a presidente.

Esse conteúdo também foi checado pelo site Boatos.Org.

Tudo o que sabemos sobre:

Joe Bidenfake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.