Conta falsa em rede social usa nome de Paulo Guedes para criticar vazamento de conversas da Lava Jato
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conta falsa em rede social usa nome de Paulo Guedes para criticar vazamento de conversas da Lava Jato

Perfil já foi suspenso do Twitter, mas imagens enganosas de postagens atribuídas ao ministro da Economia continuam a circular

Paulo Roberto Netto

29 de julho de 2019 | 16h01

O ministro Paulo Guedes participa do Novo Mercado de Gás, em Brasília. Foto: Gabriela Biló / Estadão

Um falso perfil do ministro Paulo Guedes (Economia) no Twitter,  já suspenso, publicou críticas ao vazamento de conversas entre o ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e procuradores da Operação Lava Jato. Apesar de a conta (@pauloguedes1234) ter desaparecido, prints das postagens continuam a circular nas redes sociais.

O tweet atribui a Guedes a frase: “Os caras roubaram perto de R$ 1 trilhão e o STF está analisando a suspeição de Sérgio Moro, com base em vazamentos não periciados feitos por um cidadão que já foi banido de dois países”. Outros prints da conta falsa com críticas a  reportagens do site The Intercept Brasil e ao jornalista Glenn Greenwald também estão sendo compartilhados nas redes sociais.

O ministro Paulo Guedes não possui conta no Twitter, conforme informou o Ministério da Economia em nota.

Ao tentar acessar a conta @pauloguedes1234, o usuário do Twitter recebe a notificação que o perfil foi suspenso. Em nota, a empresa destacou as regras da rede social e a política usada para contas falsas. “O Twitter não comenta sobre contas específicas, mas comportamentos suspeitos de violação às regras estão sujeitos às medidas cabíveis”, afirmou.

Personalidades públicas do governo no Twitter, como o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Sérgio Moro, têm contas verificadas. Elas possuem um selo azul ao lado do nome de perfil, algo que a conta falsa de Guedes não tinha.

Este boato foi sinalizado como suspeito por meio da parceria entre o Estadão Verifica e o Facebook. A Agência Lupa também checou esta desinformação. Para sugerir verificações, envie uma mensagem por WhatsApp ao número (11) 99263-7900.

Tendências: