Confusão de Boris Johnson em discurso sobre vacina da Pfizer motiva desinformação nas redes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Confusão de Boris Johnson em discurso sobre vacina da Pfizer motiva desinformação nas redes

Premiê anunciava plano de imunização no Reino Unido quando trocou a palavra ‘vacina’ por ‘vírus’

Pedro Prata

11 de dezembro de 2020 | 16h12

Um artigo que viralizou nas redes sociais se aproveita de um deslize do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ao anunciar o plano de vacinação contra a covid-19 no Reino Unido, para levantar suspeitas sobre a segurança do imunizante da Pfizer. Em determinado momento do discurso, Johnson se confundiu e trocou a palavra “vacina” por “vírus”. A íntegra do discurso deixa claro sobre o que o premiê estava se referindo.

O texto, que já foi compartilhado mais de 5,5 mil vezes no Facebook, diz que “Não é uma vacina que eles querem injetar em você, é um vírus!”. O artigo é acompanhado de um trecho editado do pronunciamento de Johnson em 2 de dezembro, quando anunciou que começariam a ser distribuídas as vacinas da Pfizer para moradores de asilos, funcionários da área da saúde, idosos e pessoas do grupo de risco.

No vídeo, o premiê diz: “O Reino Unido foi o primeiro país no mundo a encomendar doses da vacina da Pfizer, garantindo 40 milhões de doses. Por meio do nosso Plano de Inverno, o National Health System estava se preparando para o maior programa de imunização em massa da nossa história. E isso começa na próxima semana. Seguindo o conselho do comitê independente, a primeira fase vai incluir moradores de asilos, funcionários da área da saúde, idosos e pessoas do grupo de risco. Mas há desafios logísticos enormes: o vírus precisa ficar armazenado a menos de 70º C e cada pessoa precisa de duas doses separadas por três semanas.”

O governo do Reino Unido disponibilizou a íntegra do discurso em sua página na internet. No trecho em que fala sobre o armazenamento, a palavra “vacina” aparece no lugar da palavra “vírus” (veja abaixo), o que comprova que o premiê se confundiu.

Trecho do discurso de Boris Johnson. Foto: Governo do Reino Unido/Reprodução

A vacina da Pfizer possui um vírus?

Não é verdade que a vacina desenvolvida pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech contenha um vírus. O imunizante usa uma tecnologia nova até então: ele transporta para dentro das células uma molécula genética chamada mRNA. Esta molécula estimula as próprias células do corpo humano a produzir uma proteína presente no novo coronavírus. Nosso sistema imunológico, então, reconhece essa proteína no organismo e produz anticorpos para combatê-lo. Assim, já temos anticorpos preparados para quando entrarmos em contato com o próprio vírus.

Apesar disso, outras vacinas em teste contra a covid-19 possuem sim algum tipo de vírus, mas isso não quer dizer que elas não sejam seguras. A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca, por exemplo, se utiliza do adenovírus de chimpanzé, responsável por causar resfriado em macacos. Ele é modificado geneticamente para receber proteínas características do novo coronavírus e que serão identificadas pelo nosso sistema imunológico.

O Estadão Verifica já mostrou que há vacinas que utilizam um vírus atenuado da doença, como os imunizantes para febre amarela, sarampo, caxumba, rubéola e catapora. Nestes casos, a pessoa pode desenvolver a doença, mas isto é incomum. Além disso, o quadro da doença será mais leve do que se ela se contaminasse com o vírus ativo.

Outra tecnologia já conhecida é utilizar o vírus inativado, caso das vacinas contra tétano, coqueluche e hepatites A e B. Quando é assim, a vacina não tem como causar a infecção.

A vacina da Pfizer recebeu nesta quinta-feira, 10, o aval de um comitê consultivo da agência reguladora Food and Drugs Administration (FDA), dos Estados Unidos, para ser usada emergencialmente no país. Agora, a FDA está apta a dar a palavra final para a autorização.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.